Escolha as suas informações

Fronteiriços têm rendimento 30% menor do que residentes
Economia 04.04.2018 Do nosso arquivo online

Fronteiriços têm rendimento 30% menor do que residentes

Fronteiriços têm rendimento 30% menor do que residentes

Foto: AFP
Economia 04.04.2018 Do nosso arquivo online

Fronteiriços têm rendimento 30% menor do que residentes

Os fronteiriços gastam 20% do seu rendimento no Grão-Ducado e o seu rendimento é 30% menor do que o ganho pelos residentes. Estas são algumas das conclusões de um estudo conjunto do Banco Central do Luxemburgo e do instituto luxemburguês de investigação socio-económica publicado hoje.


O relatório analisa uma fatia muito significativa do mercado laboral luxemburguês, já que os fronteiriços representam 45% do emprego do Grão-Ducado. O estudo conclui que há diferenças entre os rendimentos e património dos residentes no Luxemburgo e dos fronteiriços, diferença que se estende também ao tempo de viagem de casa para o trabalho, por exemplo.

Assim, o rendimento dos fronteiriços é 30% mais baixo do que os o rendimento bruto dos residentes no Grão-Ducado. Isto explica-se pelo facto de, pelo menos, 20% dos rendimentos de quem vive do lado de lá da fronteira terem origem no país de residência.

A tendência repete-se no que ao património diz respeito: este representa apenas metade do património dos residentes, o que se deve ao facto de os preços das casas serem muito superiores no Luxemburgo. Por outro lado, 20% dos ativos financeiros dos fronteiriços são detidos no Grão-Ducado.

O estudo revela ainda que o meio de transporte preferido pelos fronteiriços é o carro e que estes demoram, em média, 46 minutos para chegar ao local de trabalho, enquanto os residentes demoram apenas 23 minutos.


Notícias relacionadas

Os trabalhadores no Luxemburgo estão cada vez mais velhos
O número de trabalhadores jovens está a diminuir no Luxemburgo. A idade média dos trabalhadores no Grão-Ducado é agora de 41 anos. A conclusão é de um estudo feito pelo Instituto de Investigação Sócio-Economica do Luxemburgo (Liser, na sigla em inglês) que fez a fotografia sobre a situação dos trabalhadores assalariados no país, entre 1994 e 2018. O retrato é o de uma população ativa envelhecida.
Compensa ser fronteiriço?
Têm rendimentos superiores aos residentes no seu país de residência, mas mais baixos do que os luxemburgueses. Têm casas mais baratas, mas passam mais tempo no trânsito. O Banco Central do Luxemburgo e o instituto de investigação socioeconómica tiraram uma fotografia a quem vive na Bélgica, França ou Alemanha e escolheu o Luxemburgo para trabalhar.