Escolha as suas informações

França. Subsídio de combustível vai beneficiar metade dos agregados familiares
Economia 18.11.2022
Energia

França. Subsídio de combustível vai beneficiar metade dos agregados familiares

Energia

França. Subsídio de combustível vai beneficiar metade dos agregados familiares

DR
Economia 18.11.2022
Energia

França. Subsídio de combustível vai beneficiar metade dos agregados familiares

AFP
AFP
A primeira-ministra francesa, Elisabeth Borne, adiantou esta sexta-feira que o apoio entrará "em vigor a partir de 1 de janeiro" de 2023 e começará a ser pago no início do ano.

O "subsídio de combustível para trabalhadores" vai beneficiar "metade das famílias" francesas, anunciou a primeira-ministra, Elisabeth Borne, numa entrevista ao jornal Les Echos, publicada esta sexta-feira. 

"Este subsídio de combustível para os trabalhadores beneficiará os primeiros cinco escalões de rendimento, ou seja, metade dos agregados familiares" do país, afirmou a governante. 


Desligar ou baixar o aquecimento? O que fazer para poupar energia
É uma questão aparentemente simples, mas que preocupa muitas famílias. Saiba os critérios a ter em conta.

Lembrando que esta "ajuda mais direcionada" entrará "em vigor a partir de 1 de janeiro" de 2023, a primeira-ministra explicou que os agregados elegíveis para este apoio começarão a recebê-lo no "início do ano". 

"Ainda estamos a trabalhar na definição da tabela para que possamos ajudar significativamente aqueles que têm de percorrer um trajeto mais longo até ao local de trabalho", acrescentou. 

Os preços nos postos de abastecimento de combustível voltaram a subir acentuadamente em França com a diminuição do subsídio do governo. O desconto estatal que desde 1 de setembro era de 30 cêntimos por litro, foi reduzido para 10 cêntimos esta quarta-feira. Este será o valor que continuará a ser aplicado até 31 de dezembro. 


Energia. Mulheres são mais prejudicadas pela subida dos preços
Confederação Europeia de Sindicatos alerta para o impacto da desigualdade salarial na Europa na capacidade de suportar o aumento do custo de vida e pede "medidas urgentes".

No final de outubro, o governo francês prometeu um sistema de apoio mais direcionado "para os condutores de veículos pesados", orçado em cerca de 1,5 mil milhões de euros, segundo anunciou Gabriel Attal. 

O ministro das Contas Públicas explicou, nessa altura, que seria necessário "declarar os rendimentos da atividade às autoridades fiscais", ter um documento de registo de veículos e cumprir os critérios de rendimentos definidos pelo governo. 

Depois de as autoridades cruzarem os dados fiscais e o número de matrícula do veículo, o apoio fica disponível "passados poucos dias", prometeu o ministro.

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.