Escolha as suas informações

FMI alerta para riscos de queda nos preços das casas nos próximos três anos

FMI alerta para riscos de queda nos preços das casas nos próximos três anos

Economia 2 min. 04.04.2019

FMI alerta para riscos de queda nos preços das casas nos próximos três anos

Uma eventual queda dos preços pode ter efeitos negativos no desempenho da economia.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) adverte que a rápida subida dos preços das casas nos últimos anos levanta receios sobre uma possível queda nos próximos três anos. O organismo internacional alerta ainda para os seus potenciais efeitos na economia e estabilidade financeira.

“O rápido aumento dos preços das casas em muitos países nos últimos anos suscitou alguns receios sobre a possibilidade de um declínio e as suas potenciais consequências”, indica o FMI no segundo capítulo do “Global Financial Stability Report: Vulnerabilities in a Maturing Credit Cycle”, com o título “Downside Risks to House Prices” (Riscos negativos para os preços das casas).

A instituição liderada por Christine Lagarde indica que “o menor dinamismo dos preços das casas, a sobrevalorização, o crescimento excessivo do crédito e as condições financeiras mais apertadas antecipam riscos negativos para os preços das casas nos próximos três anos”.

O FMI refere também que os riscos que se colocam à evolução dos preços das casas ajudam a prever riscos negativos para o crescimento do Produto Interno Bruto, “contribuindo para modelos de alerta precoce para crises financeiras”.

A instituição com sede em Washington recorda que “grandes quedas nos preços das casas podem afetar adversamente o desempenho macroeconómico e a estabilidade financeira, como aconteceu durante a crise financeira global de 2008 e outros episódios históricos”.

Segundo o FMI, “as estimativas mostram que os riscos negativos sobre os preços das casas mudaram desde a crise financeira global, com a maioria dos países com riscos mais elevados no final de 2007 a enfrentar atualmente riscos mais baixos” sobre os preços das casas.

No entanto, o fundo adverte que “em muitas economias avançadas e mercados emergentes os preços das casas permanecem em risco”.

O FMI refere ainda que “um aperto nas políticas macroprudenciais está associado a uma redução dos riscos negativos sobre os preços das casas”, frisando que isso se aplica sobretudo a políticas destinadas a reforçar a resiliência dos tomadores de empréstimos, tais como limites aos valores máximos dos rácios empréstimo/valor ou dívida/rendimento.

O objetivo da política macroprudencial é tornar o sistema financeiro resiliente à absorção de riscos, garantindo níveis adequados de intermediação financeira e contribuindo para o crescimento económico sustentável, conforme explica o Banco de Portugal.

Os últimos dados do Eurostat mostraram que o preço das casas aumentou 4,3% tanto na zona euro como na União Europeia (UE) no terceiro trimestre de 2018, face ao mesmo trimestre do ano anterior, com Portugal a registar uma subida de 8,5%.


Com Lusa


Notícias relacionadas