Escolha as suas informações

Finanças públicas: Ministro prevê redução do défice da administração central
Economia 20.07.2017 Do nosso arquivo online

Finanças públicas: Ministro prevê redução do défice da administração central

O ministro luxemburguês das Finançaas, Pierre Gramegna

Finanças públicas: Ministro prevê redução do défice da administração central

O ministro luxemburguês das Finançaas, Pierre Gramegna
Foto: Anouk Antony
Economia 20.07.2017 Do nosso arquivo online

Finanças públicas: Ministro prevê redução do défice da administração central

O ministro das Finanças, Pierre Gramegna, prevê uma redução do défice da administração central durante este ano, um dos aspetos orçamentais mais vezes criticados pela oposição.

O ministro das Finanças, Pierre Gramegna, prevê uma redução do défice da administração central durante este ano, um dos aspetos orçamentais mais vezes criticados pela oposição.

O governante afirmou que a evolução das contas públicas tem corrido bem tanto em termos de receitas como de despesas. Foi esta a mensagem que Gramegna levou ao Parlamento sobre o balanço orçamental do segundo trimestre deste ano.

As receitas fiscais cresceram 1,6% face ao ano anterior e as receitas totais equivalem atualmente a mais de metade do montante previsto no Orçamento do Estado. Por sua vez, as despesas cresceram 27% face ao mesmo período de 2016 e o valor corresponde a 47% do orçamentado.

Assim, Gramegna afirmou que, dado que as despesas estão controladas, o défice da administração central - que exclui as contas das autarquias e da Segurança Social - vai diminuir  para um nível abaixo dos mil milhões de euros.

Já quanto ao conjunto das administrações públicas, o excedente deve continuar a melhorar, afirmou.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Luxemburgo tem excedente de 304 milhões de euros
A administração central do Estado luxemburguês registou um excedente de 304 milhões de euros até novembro. O resultado foi apresentado hoje pelo ministro das Finanças, Pierre Gramegna, no Parlamento.