Escolha as suas informações

Falências. O pior ainda poderá vir nos próximos meses
Economia 03.03.2021

Falências. O pior ainda poderá vir nos próximos meses

Falências. O pior ainda poderá vir nos próximos meses

Foto: Marc Wilwert
Economia 03.03.2021

Falências. O pior ainda poderá vir nos próximos meses

Diana ALVES
Diana ALVES
O Statec não vê para já um aumento significativo do número de falências mas prevê um crescimento desse número nos próximos meses.

Apesar de esperado, a covid-19 não parece ter tido um grande impacto nas empresas. Pelo menos até agora. Segundo dados do Ministério da Justiça e do Instituto Nacional de Estatística (Statec) divulgados esta quarta-feira, os tribunais luxemburgueses declararam 120 falências de empresas no último mês de janeiro, menos 34 face ao mesmo período de 2020.

Na nota divulgada no site, o instituto sublinha que "não há, para já, um aumento significativo do número de falências", mas acrescenta que, "devido à situação particular ligada à covid-19", prevê um crescimento desse número nos próximos meses. Uma expectativa que tem vindo a ser antecipada também por vários especialistas, que esperam que o número de falências venha a subir no segundo semestre do ano. 


Covid-19. Mercado de trabalho vai continuar a sofrer ao longo de 2021
Statec tem vários cenários consoante a evolução da pandemia, mas o mais provável é que os efeitos da crise no mercado de trabalho não desapareçam tão cedo.

Ao longo de 2020, os tribunais declararam 1.206 insolvências, um número muito próximo dos registados em 2019 (1.239 falências) e em 2018 (1.168), segundo os dados do Ministério da Justiça/Statec revelados em janeiro. Com o encerramento de empresas em 2020, 2.032 pessoas perderam o emprego. Cerca de 31% trabalhava no setor da construção.  

As organizações que estão a ser afetadas pela pandemia podem continuar a ser abrangidas pelo regime de desemprego parcial pelo menos até junho de 2021. O comité de conjuntura criado pelo Executivo vai continuar a apoiar as empresas através de quatro cenários, a partir de março.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas