Escolha as suas informações

Eurostat revê em baixa para 1,8% crescimento da zona euro em 2018

Eurostat revê em baixa para 1,8% crescimento da zona euro em 2018

Foto: Reuters
Economia 07.03.2019

Eurostat revê em baixa para 1,8% crescimento da zona euro em 2018

Nos últimos três meses do ano, a economia da moeda única cresceu 1,1%.

A economia da zona euro cresceu, em 2018, 1,8% e a da União Europeia cresceu 1,9%, divulgou hoje o Eurostat, baixando em 0,1 pontos a estimativa que a Comissão Europeia apontou, em fevereiro, para os países da moeda única.

Para o conjunto do ano de 2018, o gabinete estatístico europeu aponta para um crescimento de 1,8% do Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro, revendo em baixa a estimativa de 1,9% que a Comissão Europeia tinha avançado nas Previsões Económicas de Inverno, divulgadas em 7 de fevereiro.

Para a União Europeia (UE), a taxa de crescimento do PIB foi, no ano passado, de 1,9%, em linha com a percentagem avançada por Bruxelas há um mês.

Em 2017, o PIB da zona euro e o da UE aumentaram 2,4%.

No quarto trimestre de 2018, segundo o boletim do Eurostat, o PIB da zona euro avançou 1,1% em termos homólogos e 0,2% face ao período entre julho e setembro.

A economia da UE, por seu lado, cresceu, entre outubro e dezembro últimos, 1,4% em termos homólogos e 0,3% em cadeia.

No terceiro trimestre de 2018, o PIB da zona euro tinha crescido, respetivamente 1,6% e 0,1% e o da UE 1,8% e 0,3%.

A Letónia (5,6%) foi o país cuja economia mais cresceu em termos homólogos no quatro trimestre de 2018, seguindo-se a Hungria (4,9%) e a Polónia (4,6%).

Em Portugal, o PIB avançou, entre outubro e dezembro, 1,7% face ao período homólogo e 0,4% em cadeia. Não há dados disponíveis para o Luxemburgo.



Notícias relacionadas

Eurostat: Zona euro cresce ao ritmo mais elevado desde 2011
A economia da zona euro cresceu 2,1% no segundo trimestre do ano, face ao período homólogo. Os dados ficam em linha com o previsto pelos analistas. Este é o ritmo mais elevado desde 2011, de acordo com os dados do Eurostat, já que nos primeiros três meses daquele ano, a economia cresceu 2,9%.