Escolha as suas informações

Eurostat: Luxemburgo tem das maiores disparidades entre salários brutos mais altos e o médio
O Luxemburgo é o sétimo da lista com maior disparidade entre salários brutos mais altos e o médio, enquanto Portugal é o primeiro

Eurostat: Luxemburgo tem das maiores disparidades entre salários brutos mais altos e o médio

Foto: Guy Jallay
O Luxemburgo é o sétimo da lista com maior disparidade entre salários brutos mais altos e o médio, enquanto Portugal é o primeiro
Economia 13.12.2016

Eurostat: Luxemburgo tem das maiores disparidades entre salários brutos mais altos e o médio

O Luxemburgo é o sétimo Estado-membro da União Europeia (UE) com maior disparidade entre os salários brutos mais altos e o médio, segundo dados de 2014 hoje divulgados pelo Eurostat.

O Luxemburgo é o sétimo Estado-membro da União Europeia (UE) com maior disparidade entre os salários brutos mais altos e o médio, segundo dados de 2014 hoje divulgados pelo Eurostat.

A lista é liderada por Portugal, que tem o maior rácio de disparidade entre o salário médio e os mais altos, o que significa que 10% dos salários mais altos são 2,8 vezes superiores ao salário médio.

À frente do Luxemburgo aparecem ainda países como Bulgária, Roménia, Polónia, Chipre e Letónia.

Os salários mais altos no Luxemburgo eram, em 2014, pagos nos setores do ensino, atividades financeiras e de seguros, seguindo-se as atividades científicas e técnicas e ainda o setor da informação e comunicação.

Os salários mais baixos eram pagos no setor da hotelaria e restauração, serviços administrativos, construção, comércio e reparação de automóveis.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

O longo caminho para a igualdade
A luta pela igualdade de género trava-se em diversas áreas e as discriminações subsistem. Antes do Dia Internacional da Mulher, o Contacto procurou saber mais sobre o que tem sido feito e o que falta fazer para que a sociedade seja mais justa. E confirmou que se andou muito para aqui chegar, mas há ainda muito para melhorar.
EDITORIAL: A fatura dos imigrantes
“Mais de metade do eleitorado trabnão mudar, vão ser sempre os mesmos a pagar a fatura.” alha na Função Pública. São estes que escolhem quem governa o país e enquanto isto não mudar, vão ser sempre os mesmos a pagar a fatura.”