Escolha as suas informações

Luxemburgo tem a segunda menor dívida pública da UE
Economia 22.07.2016 Do nosso arquivo online
Eurostat

Luxemburgo tem a segunda menor dívida pública da UE

A dívia luxemburguesa situa-se nos 21,8% do PIB
Eurostat

Luxemburgo tem a segunda menor dívida pública da UE

A dívia luxemburguesa situa-se nos 21,8% do PIB
Foto: Arquivo LW
Economia 22.07.2016 Do nosso arquivo online
Eurostat

Luxemburgo tem a segunda menor dívida pública da UE

O Luxemburgo tem a segunda menor dívida pública da União Europeia (UE). De acordo com o Eurostat, a dívida situou-se nos 21,8% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre deste ano, o que equivale a 11,4 mil milhões de euros. Já Portugal tem a terceira dívida mais alta.

O Luxemburgo tem a segunda menor dívida pública da União Europeia (UE). De acordo com o Eurostat, a dívida situou-se nos 21,8% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre deste ano, o que equivale a 11,4 mil milhões de euros. Já Portugal tem a terceira dívida mais alta.

À frente do Grão-Ducado surge apenas a Estónia com uma dívida de 9,6% do PIB. O Luxemburgo conseguiu melhorar a evolução da dívida face ao mesmo período do ano anterior, quando tinha tocado os 22,3%. Contudo, o valor agora registado representa um agravamento face aos 21,5% verificados nos últimos três meses de 2015.

Os países com a maior dívida são a Grécia (176,3%), a Itália (135,4%) e Portugal (128,9%). No total da UE, a dívida situa-se nos 84,8%, melhor do que há um ano quando estava nos 88,1%. Na zona euro a tendência também foi de melhoria, tendo descido 1,4 pontos percentuais, para os 91,7%.


Notícias relacionadas

O Luxemburgo registou a segunda maior subida da dívida pública, entre os países da União Europeia (UE), no terceiro trimestre de 2017 face ao mesmo período de 2016. Apesar da subida, o Grão-Ducado tem a segunda dívida mais baixa, de 23,4% do PIB.
Primeiro trimestre de 2017
A dívida pública luxemburguesa subiu para 23% do Produto Interno Bruto (PIB), ascendendo a 12,6 mil milhões de euros, no final do primeiro trimestre deste ano.