Escolha as suas informações

Eurogrupo bate palmas a plano financeiro para a crise
Economia 2 min. 09.04.2020 Do nosso arquivo online

Eurogrupo bate palmas a plano financeiro para a crise

Eurogrupo bate palmas a plano financeiro para a crise

Foto: AFP
Economia 2 min. 09.04.2020 Do nosso arquivo online

Eurogrupo bate palmas a plano financeiro para a crise

Telma MIGUEL
Telma MIGUEL
O acordo foi feito esta quinta-feira à noite, com a aprovação de três redes de segurança que valem meio bilião de euros.

Os ministros das Finanças dos países da zona euro chegaram a acordo esta noite. O pacote consiste num plano de meio bilião de euros e inclui apoio a trabalhadores e pequenas e médias empresas" . 

Mário Centeno mostrou-se satisfeito com o resultado : “Estamos prontos para enterrar as nossas divergências. Ao fim do terceiro dia (de negociações), o mais importante é que estivemos à altura do desafio”.

O comissário europeu da Economia, Paolo Gentiloni, referiu que “temos um acordo que nos coloca mais perto da resposta económica de que a Europa precisa, além do que o Banco Central Europeu já está a disponibilizar”. Gentiloni acresentou que a Comissão Europeia irá também apresentar mais propostas no final de abril.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, referiu que o Eurogrupo criou um “pacote sólido de instrumentos para responder à crise do Covid-19 num espírito de solidariedade. Uma rede de segurança europeia de meio bilião de euros para apoiar trabalhadores, pequenas e médias empresas e negócios. E agora é preparar o terreno para relançar as nossas economias”.

Ao longo do dia, o presidente do Eurogrupo, o português Mário Centeno, manteve contatos telefónicos intensos com os ministros das finanças da zona euro. Horas antes de começar a videoconferência, já com todos os governantes alinhados numa decisão, Mário Centeno dizia que se estava muito perto de um acordo. “Confio que desta vez vamos todos estar à altura da situação. E demonstra espírito de compromisso, que é a base da nossa União”. Ao fim de meia hora de videoconferência, a reunião acabou com os ministros a baterem palmas.

Mário Centeno apresentou o pacote de três redes de segurança como uma “proposta ousada e ambiciosa, impensável há apenas uma semana”. A rede de segurança em que os ministros das finanças da zona euro concordaram destinam-se cada uma a trabalhadores, empresas e países. O primeiro é o SURE, um pacote proposto pela Comissão Europeia, de até 100 mil milhões de euros para pagamento de salários. O segundo, para empresas, em particular as PME’s, no valor de 200 mil milhões de euros de empréstimos. O terceiro, destina-se aos Estados-membros, que podem aceder ao Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) no valor de até 2% do seu Produto Interno Bruto, com a “condição única” de que esses fundos sejam destinados a despesas de saúde diretas ou indiretas relacionadas com a pandemia da covid-19. Mário Centeno, acrescentou que qualquer país candidato permanece sujeito à “coordenação fiscal” habitual na zona euro. No total, estarão disponíveis 240 mil milhões de euros nesta parcela. “É uma salvaguarda importante”, disse Centeno, e vai estar “disponível para todos em termos standard”.

Este dinheiro do MEE – instituto que “foi criado na crise anterior”, de 2018 - “continua a ser relevante nesta crise”. Esta linha de apoio, disse Centeno, estará operacional em duas semanas.

“A seguir vamos ter que acelerar a recuperação económica. Líderes com visão fazem planos para a paz antes de a guerra acabar. O próximo orçamento europeu será feito para uma economia melhor, mais verde, mais resiliente e mais digital", concluiu

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas