Escolha as suas informações

Estudo: Número de empresas de trabalho manual subiu 85% nos últimos 25 anos
Economia 04.05.2016 Do nosso arquivo online

Estudo: Número de empresas de trabalho manual subiu 85% nos últimos 25 anos

Havia 6.890 empresas no sector do artesanato em 2015

Estudo: Número de empresas de trabalho manual subiu 85% nos últimos 25 anos

Havia 6.890 empresas no sector do artesanato em 2015
Foto: Marc Wilwert
Economia 04.05.2016 Do nosso arquivo online

Estudo: Número de empresas de trabalho manual subiu 85% nos últimos 25 anos

O número de empresas que se dedicam a actividades que implicam trabalho manual subiu 85% nos últimos 25 anos (entre 1990 e 2015). De acordo com um relatório da Chambre des Métiers, o número de empresas é de 6.890. Relativamente a 2014 houve um aumento de 4,4%, o que significa que foram criados mais 1.391 negócios.

O número de empresas que se dedicam a actividades que implicam trabalho manual subiu 85% nos últimos 25 anos (entre 1990 e 2015). De acordo com um relatório da Chambre des Métiers, o número de empresas é de 6.890. Relativamente a 2014 houve um aumento de 4,4%, o que significa que foram criados mais 1.391 negócios.

Este sector engloba várias áreas desde a alimentação (como  padarias, por exemplo); moda, saúde e higiene (como esteticista); mecânica; construção; comunicação, multimédia e espectáculos; e outras. Destes sectores, o número de empresas existentes só baixou na alimentação.

As quase sete mil empresas são responsáveis por 85.973 empregos, sendo que quase seis mil referem-se a trabalhadores independentes e a ajudantes familiares. A maior parte são trabalhadores transfronteiriços e estrangeiros, sendo que os luxemburgueses são uma pequena fatia da mão-de-obra criada. Entre os trabalhadores estrangeiros, os portugueses são em maior número, seguindo-se os franceses e os alemães.

Estes negócios representam 21% do total de empresas existentes no Grão-Ducado e 22% do emprego total.


Notícias relacionadas

Procuram-se 9.400 trabalhadores para a indústria manufatureira
Só na construção civil são precisos mais cinco mil trabalhadores. Para atrair mão de obra estrangeira, a Câmara dos Ofícios propõe que as empresas do setor privado possam construir alojamentos para os seus trabalhadores, beneficiando de subsídios públicos.