Escolha as suas informações

Estudo: Número de empresas de trabalho manual subiu 85% nos últimos 25 anos
Economia 04.05.2016

Estudo: Número de empresas de trabalho manual subiu 85% nos últimos 25 anos

Havia 6.890 empresas no sector do artesanato em 2015

Estudo: Número de empresas de trabalho manual subiu 85% nos últimos 25 anos

Havia 6.890 empresas no sector do artesanato em 2015
Foto: Marc Wilwert
Economia 04.05.2016

Estudo: Número de empresas de trabalho manual subiu 85% nos últimos 25 anos

O número de empresas que se dedicam a actividades que implicam trabalho manual subiu 85% nos últimos 25 anos (entre 1990 e 2015). De acordo com um relatório da Chambre des Métiers, o número de empresas é de 6.890. Relativamente a 2014 houve um aumento de 4,4%, o que significa que foram criados mais 1.391 negócios.

O número de empresas que se dedicam a actividades que implicam trabalho manual subiu 85% nos últimos 25 anos (entre 1990 e 2015). De acordo com um relatório da Chambre des Métiers, o número de empresas é de 6.890. Relativamente a 2014 houve um aumento de 4,4%, o que significa que foram criados mais 1.391 negócios.

Este sector engloba várias áreas desde a alimentação (como  padarias, por exemplo); moda, saúde e higiene (como esteticista); mecânica; construção; comunicação, multimédia e espectáculos; e outras. Destes sectores, o número de empresas existentes só baixou na alimentação.

As quase sete mil empresas são responsáveis por 85.973 empregos, sendo que quase seis mil referem-se a trabalhadores independentes e a ajudantes familiares. A maior parte são trabalhadores transfronteiriços e estrangeiros, sendo que os luxemburgueses são uma pequena fatia da mão-de-obra criada. Entre os trabalhadores estrangeiros, os portugueses são em maior número, seguindo-se os franceses e os alemães.

Estes negócios representam 21% do total de empresas existentes no Grão-Ducado e 22% do emprego total.


Notícias relacionadas

Procuram-se 9.400 trabalhadores para a indústria manufatureira
Só na construção civil são precisos mais cinco mil trabalhadores. Para atrair mão de obra estrangeira, a Câmara dos Ofícios propõe que as empresas do setor privado possam construir alojamentos para os seus trabalhadores, beneficiando de subsídios públicos.
Em 2015: Falências aumentaram no Luxemburgo
O número tinha sido avançado em Janeiro pela instituição alemã Creditreform mas, só agora, foi oficialmente confirmado pela Secretária de Estado da Economia, Francine Closener. No ano passado, 873 empresas declararam falência no Luxemburgo, um aumento de 3,3% face a 2014.