Escolha as suas informações

Estudo. Maioria dos trabalhadores quer regressar ao local de trabalho
Economia 20.04.2021

Estudo. Maioria dos trabalhadores quer regressar ao local de trabalho

Estudo. Maioria dos trabalhadores quer regressar ao local de trabalho

Foto: Getty Images
Economia 20.04.2021

Estudo. Maioria dos trabalhadores quer regressar ao local de trabalho

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Um estudo levado a cabo pela empresa Randstad dá conta que a maioria dos trabalhadores está otimista apesar do contexto pandémico e económico. No estudo realizado junto de 800 pessoas, 73% dos sondados dizem querer regressar ao local de trabalho, pelo menos parcialmente.

De facto, com a crise sanitária muitos são os assalariados que continuam a trabalhar em teletrabalho, uma vez que o seu local de trabalho não reúne as condições necessárias para garantir a segurança em termos de contágio. 

Ora, mais de um ano depois do início desta crise, a maioria dos trabalhadores gostaria de voltar à empresa, sendo que a falta dos colegas é a razão mais apontada.

Relativamente à vacina, 69% dizem estar dispostos a levar a vacina contra a covid-19, caso o seu trabalho o exija, sendo que 38% responderam que não se vão sentir em segurança no local de trabalho, enquanto que as pessoas que as rodeiam não são vacinadas. 32% dizem mesmo que preferem continuar a trabalhar a partir de casa, enquanto não houver vacinas para todos.

Por outro lado, 6% dos trabalhadores afirmam que o empregador lhes exigiu a vacina. Outros 56% declaram sentir-se pressionados por parte do patrão para o fazer.

Note-se ainda que o estudo revela que os trabalhadores do Luxemburgo não estão preocupados em perder o trabalho nos próximos meses. Apenas 5% dos sondados dizem ter algum receio uma vez que têm um contrato temporário. Outros 6% têm medo que a situação financeira da empresa piore quando o Estado deixar de conceder ajudas financeiras.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Atividade gripal "elevada" no Luxemburgo
Segundo o serviço de vigilância da gripe do Laboratório Nacional de Saúde, a taxa de consultas por causa da gripe rondou os 7,4% na semana de 4 a 10 de fevereiro. A vacina contra o vírus continua em rutura de stock no Luxemburgo.