Escolha as suas informações

Estudo: Governo diz que ‘turismo de combustíveis’ é “fenómeno marginal”
Economia 28.11.2016 Do nosso arquivo online

Estudo: Governo diz que ‘turismo de combustíveis’ é “fenómeno marginal”

Estudo: Governo diz que ‘turismo de combustíveis’ é “fenómeno marginal”

Foto: Gerry Huberty
Economia 28.11.2016 Do nosso arquivo online

Estudo: Governo diz que ‘turismo de combustíveis’ é “fenómeno marginal”

O Governo luxemburguês classifica o chamado ‘turismo de combustíveis’ como um “fenómeno marginal”, baseando-se nos resultados do primeiro estudo sobre os impactos económicos da venda de carburantes no Luxemburgo.

O Governo luxemburguês classifica o chamado ‘turismo de combustíveis’ como um “fenómeno marginal”, baseando-se nos resultados do primeiro estudo sobre os impactos económicos da venda de carburantes no Luxemburgo.

Segundo o documento, o número de automobilistas ou camionistas que se deslocam expressamente ao Luxemburgo para atestar o depósito das suas viaturas “já não é tão significativo” como antigamente, embora o preços dos combustíveis no Grão-Ducado seja significativamente mais baixo do que nos países vizinhos (Alemanha, França e Bélgica).

Contudo, o estudo sobre o ‘turismo de combustíveis’ não inclui os fronteiriços, ou seja, os automobilistas que trabalham no Luxemburgo mas residem num país vizinho.

O relatório revela no entanto que 75% do combustível vendido no Grão-Ducado é “exportado”, o que demonstra a importância do trânsito transfronteiriço nas estradas luxemburguesas.

O estudo do Governo aponta ainda “efeitos negativos” da venda de combustíveis para o Ambiente e a Saúde, com custo para o Estado na ordem dos 3,5 mil milhões de euros por ano, sendo que 0,8% são pagos pelos contribuintes do Luxemburgo.

Em contrapartida, a venda de combustível dá um lucro anual de 2,1 mil milhões de euros ao Estado luxemburguês.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Compensa ser fronteiriço?
Têm rendimentos superiores aos residentes no seu país de residência, mas mais baixos do que os luxemburgueses. Têm casas mais baratas, mas passam mais tempo no trânsito. O Banco Central do Luxemburgo e o instituto de investigação socioeconómica tiraram uma fotografia a quem vive na Bélgica, França ou Alemanha e escolheu o Luxemburgo para trabalhar.