Escolha as suas informações

Estudo de Jones Lang LaSalle: Sector imobiliário continua a bater recordes no Luxemburgo
Economia 7 min. 23.01.2015

Estudo de Jones Lang LaSalle: Sector imobiliário continua a bater recordes no Luxemburgo

O centro do país, nomeadamente a cidade do Luxemburgo, continua a ser a zona onde casas e apartamentos mais sobem de preço de ano para ano, apesar de ser também a região onde a oferta mais cresceu em um ano.

Estudo de Jones Lang LaSalle: Sector imobiliário continua a bater recordes no Luxemburgo

O centro do país, nomeadamente a cidade do Luxemburgo, continua a ser a zona onde casas e apartamentos mais sobem de preço de ano para ano, apesar de ser também a região onde a oferta mais cresceu em um ano.
Photo: Tania Bettega
Economia 7 min. 23.01.2015

Estudo de Jones Lang LaSalle: Sector imobiliário continua a bater recordes no Luxemburgo

O sector imobiliário continua de boa saúde no Luxemburgo. Em 2014, arrendar um apartamento custava em média 7,6% mais caro do que em 2013, segundo um estudo publicado esta semana pela agência imobiliária líder de mercado Jones Lang LaSalle (JLL). No mesmo período, o preço das casas para arrendar subiu  2,9%.

O sector imobiliário continua de boa saúde no Luxemburgo. Em 2014, arrendar um apartamento custava em média 7,6% mais caro do que em 2013, segundo um estudo publicado esta semana pela agência imobiliária líder de mercado Jones Lang LaSalle (JLL). No mesmo período, o preço das casas para arrendar subiu 2,9%.

O centro do país, nomeadamente a cidade do Luxemburgo, continua a ser a zona onde casas e apartamentos mais sobem de preço de ano para ano, apesar de ser também a região onde a oferta mais cresceu em um ano. O número de casas para arrendar aumentou 48% e o dos apartamentos, 61%. Também o número de bens para venda cresceu na zona centro em 12 meses, de 5% para as casas e de 3% para os apartamentos.

A tendência não deverá inverter-se nos próximos tempos, já que a procura é calculada em cerca de 15 a 18 mil apartamentos anuais, quando o mercado disponibiliza por ano apenas entre 5 e 7 mil, adianta ainda a Jones Lang LaSalle.

Para a agência, as coisas só mudariam se o Governo duplicasse o programa das construções durante três anos consecutivos, simplificando certas regras administrativas, o que talvez permitisse travar um pouco a subida dos preços, considera o director da JLL, Romain Muller.

Segundo a JLL, o Governo está a incentivar a construção de alojamentos com cerca de 90m2 em determinadas zonas, que deviam ser destinados a famílias, mas são jovens activos e jovens famílias que estão a ocupar essas habitações, algumas podem até ter cinco ou mais divisões, quando na realidade talvez nem necessitassem de tantos metros quadrados. A JLL nota assim que muitos jovens activos optam por partilhar esse tipo de apartamentos com um ou mais locatários.

As casas mais vetustas continuam também a vender-se bem, tendo registado em 2014 um aumento de 2%. A venda de apartamentos antigos subiu 3%. Há também cada vez mais pessoas que preferem construir o seu próprio bem imobiliário, nota a agência.

O ano de 2014 foi também aquele em que se fizeram transacções de grande dimensão no sector do imobiliário de escritórios, sobretudo com a instalação da PwC (Pricewaterhouse Coopers) no Crystal Park, na Cloche d'Or, as novas instalações da KPMG em Kirchbergm, e a compra do edifício da ArcelorMittal (ex-sede da Arbed) pelo banco BCEE.

Em 2015, esta tendência vai continuar. A Comissão Europeia vai enviar 1.600 funcionários para a Cloche d'Or para um espaço de 40 mil metros quadrados, enquanto espera que o novo edifício Jean Monnet, em Kirchberg, esteja terminado em 2019. Também, o Banco Europeu de Investimento (BEI) está a tentar encontrar 30 mil m2 para poder crescer.

No imobiliário comercial, as ruas mais procuradas pelas grandes marcas continuam a registar recordes, mais 24% num só ano, apesar de várias lojas e empresas terem falido no mesmo período.

Alguns números

♦ Preço das rendas de escritórios (m2/mês)

42 euros no centro da cidade do Luxemburgo

32 euros no bairro da Gare, na capital

32 euros em Kirchberg

28 euros nas zonas "descentralizadas" (por ex., perto de uma auto-estrada)

24 euros na "periferia" da capital

20 euros em Esch-sur-Alzette e outras cidades

♦ Preço das rendas das lojas (m2/mês)

120 euros para as artérias comerciais e pedonais do centro da cidade do Luxemburgo

100 euros para os centros comerciais descentralizados

65 euros para as artérias comerciais descentralizadas

40 euros para os centros comerciais das perfiferias

♦ Preço dos apartamentos por zona (euros/m2)

5.447 euros/m2 na região Centro (cidade do Luxemburgo e arredores)

4.178 euros/m2 na região Oeste

4.010 euros/m2 na região Leste

3.909 euros/m2 na região Sul

♦ Preço das casas por zona (euros/m2)

4.679 euros/m2 na região Centro (cidade do Luxemburgo e arredores)

3.770 euros/m2 na região Oeste

3.651 euros/m2 na região Leste

3.393 euros/m2 na região Sul

♦ As 8 maiores lojas de venda a retalho, que abriram em 2014 (em superfície)

900 m² Guess (54, Grand-Rue, na capital)

410 m² Dior (15, rue Philippe II, na capital)

280 m² American Vintage (67, Grand-Rue, na capital)

210 m² Sandro (4-6, rue Porte-Neuve, na capital)

150 m² Eric Bompard (15, rue Philippe II, na capital)

150 m² Sergent Major (14, rue de l'Alzette, em Esch/Alzette)

140 m² Paule Ka (87, Grand-Rue, na capital)

♦ Os maiores projectos residenciais

Mamer : "Auf Bierg" - venda já começou

Les jardins de Luxembourg - Résidence Aqua Viva and Trilogy - 115 apartementos

Ban de Gasperich - 1000 apartementos

Projet Belval no Square Mile e em Belval Nord

Bairro do Kiem, em Kirchberg - 6 prédios (12.615 m²) e 5 edifícios (12.976 m²)

Porta da Europa, em Kirchberg (32.000 m² dos quais 20 mil m2 para residentes)

Les brasseries de Neudorf (2014-2015) - 87 apartementos

Royal Hamilius (2015) - 36 mil m², dos quais 7 mil m2 para residentes, em 70 apartementos

Projecto Soho, bairro da Gare, na capital (2015-2016) - 4 residências (150 apartementos)

♦ Os maiores projectos comerciais

2016: Cactus Lallange; Centro Comercial em Schengen; Centro Pagosa em Strassen.

2017: Royal Hamilius, na capital; Arboria, em Differdange; centro comercial misto Kontz, em Dudelange.

2018: centro comercial Auchan, em Gasperich.

depois de 2018: centro comercial misto na Place de l'Etoile, na cidade do Luxemburgo.

♦ As maiores transacções imobiliárias de 2014

- 220 milhões de euros, K2Dolce + Forte + Balade + Elipse no Kirchberg (34.000 m²), vendidos pela UBS e Aberdeen à Union Investment

- 150 milhões de euros, a Galeria Kons, no bairro da Gare, na capital (22.000 m²) vendida pela CLI / Immobet / Besix à AXA

- 120 milhões de euros, Le Dome, no bairro da Gare, na capital (22.000 m²), vendido por Pramerica à Blackstone

♦ As maiores transacções imobiliárias no sector dos escritórios em 2014 (em superfície)

1. PWC - Cloche d'Or (renda) 30.000 m²

2. KPMG - 39, bd Kennedy, Kirchberg (compra) 17.000 m²

3. BEI, Président B, Kirchberg (renda) 10.851 m²

4. ENOVOS, Schlassgaard, Esch/Alzette (compra) 7.900 m²

5. Atoz, City Gate, junto ao aeroporto do Findel (pré-renda) 5.500 m²

6. China Merchants Bank, Royal20, boulevard Royal, na capital (pré-renda) 4.936 m²

7. ADEM, Bitbourg / 21st Century, em Hamm (renda) 4.000 m²

8. Amazon, IEK EOLIS, Kirchberg (renda) 3.387 m²

9. Deloitte, Daidalos, junto ao aeroporto do Findel (renda) 2.967 m²

10. Cargolux, Daidalos, junto ao aeroporto do Findel (sub-locação) 2.944 m²

♦ Os seis maiores projectos para 2015

- White Pearl (antigas instalações da Luxlait), Sogimme, 8.450 m², em Merl (rue Marcel Cahen)

- One on One, Ikogest - 2.935 m², route d'Esch, na capital

- Royal20, Leaseinvest para a China Merchants Bank - 5.300 m² (20, Bd Royal), na capital

- Bitbourg 20, Greenfich Capital - 5.000 m², rue de Bitbourg, em Hamm

- Wallis, de Pylos - 4.081 m² no bairro da gare, na capital (rue du Fort Wallis)

- IAK, Fonds de compensation - 24.000 m², em Kirchberg (rue Alcide Gasperi)


Notícias relacionadas

Statec: Estúdios mais caros em média do que os apartamentos
Os preços elevados da habitação, para vender ou arrendar, são apontados, há décadas, como um dos maiores problemas, para quem chega e se quer instalar no Luxemburgo. O segundo trimestre deste ano confirmou essa tendência, com uma subida anual dos preços do imobiliário de 5,6%.