Escolha as suas informações

Estudo: Como as empresas luxemburguesas deram a volta à crise
Em 2013, muitas lojas do centro da capital do Luxemburgo foram obrigadas a fechar portas. A Loft foi uma delas.

Estudo: Como as empresas luxemburguesas deram a volta à crise

Foto: Guy Jallay
Em 2013, muitas lojas do centro da capital do Luxemburgo foram obrigadas a fechar portas. A Loft foi uma delas.
Economia 02.11.2016

Estudo: Como as empresas luxemburguesas deram a volta à crise

A redução da procura e o aumento dos custos laborais e das matérias-primas levaram as empresas luxemburguesas a optarem por empregar mais trabalhadores com contratos a termo do que com contratos por tempo indeterminado.

Por Paula Cravina de Sousa - A redução da procura e o aumento dos custos laborais e das matérias-primas levaram as empresas luxemburguesas a optarem por empregar mais trabalhadores com contratos a termo do que com contratos por tempo indeterminado.

A crise de 2008 afetou todos, desde cidadãos a empresas e ao próprio Estado. Que as empresas sofreram com a crise é expectável, mas que dificuldades sentiram e que medidas tomaram para enfrentar os problemas? De que forma foi feito o ajustamento, houve alterações nos preços, redução de salários ou mais despedimentos? Foi para responder a estas questões que o Banco Central do Luxemburgo (BCL) levou a cabo um inquérito junto de algumas empresas para perceber qual foi a estratégia seguida. A solução refletiu-se na natureza dos contratos de trabalho feitos: houve uma redução do número de trabalhadores permanentes e um aumento dos contratados a prazo. (...)

Leia o artigo, na íntegra, na edição do jornal Contacto desta quarta-feira.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

9% dos trabalhadores têm contrato a termo no Luxemburgo
No Luxemburgo, 9% dos trabalhadores entre os 15 e os 64 anos tinham um contrato a termo certo no ano passado. Esta é a décima taxa mais baixa entre os países da União Europeia (UE) e fica muito abaixo da média, que é de 14,3%.
Operadoras de telemóveis recusam contratos a refugiados no Luxemburgo
As principais operadoras de telecomunicações no Luxemburgo estão a recusar contratos de telemóveis a requerentes de asilo, mesmo depois de estes terem obtido o estatuto de refugiado. A Post, empresa pública, permite uma assinatura sem compra de telemóvel a prestações, mas exige o pagamento de um adiantamento de 200 euros.
Hiba, a refugee from Syria, faced problems getting a mobile phone contract.