Escolha as suas informações

Emirates prepara-se para eliminar até 9 mil postos de trabalho
Economia 11.07.2020

Emirates prepara-se para eliminar até 9 mil postos de trabalho

Emirates prepara-se para eliminar até 9 mil postos de trabalho

AFP
Economia 11.07.2020

Emirates prepara-se para eliminar até 9 mil postos de trabalho

Num ano atípico para o setor da aviação, a companhia dos Emirados Árabes prepara-se para despedir 15% dos trabalhadores.

A companhia aérea Emirates, dos Emirados Árabes Unidos, planeia eliminar até 9 mil postos de trabalho devido à diminuição da procura gerada pela pandemia da covid-19, afirmou o presidente da empresa.

Tim Clark anunciou que já cortou um décimo do pessoal da companhia aérea, ou seja, 6.000, de um total de 54.000 trabalhadores, aos quais se aplicarão cortes.

"Provavelmente teremos que cortar mais alguns [empregos], provavelmente até uns 15%", disse o presidente, em declarações à BBC.

Antes do início da pandemia da covid-19, a companhia aérea contava com 60.000 funcionários e, em 31 de maio, anunciou despedimentos, apesar de não especificar quantos seriam.

Até ao momento, a Emirates era a única operadora a manter a sua equipa completa, enquanto as outras operadoras do Golfo Pérsico anunciavam planos de ajustamento.

A Etihad, com sede em Abu Dhabi, e a Qatar Airways, com sede em Doha, começaram a despedir depois de os países mais afetados pela pandemia fecharem o seu espaço aéreo, à medida que o novo coronavírus se propagava.

Segundo Tim Clark, a Emirates, propriedade de um fundo soberano do Dubai, "não estava tão mal como as outras” companhias aéreas e "estava a caminho de conseguir fazer um dos seus melhores anos" antes da pandemia.

A diminuição da procura afeta todas as empresas do setor, que anunciaram cortes nas suas equipas, o que levou o Reino Unido a isentar, até 76 países, de terem de cumprir uma quarentena de 14 dias ao entrar no país.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Emirates prepara-se para despedir
Depois de companhias como a Ryanair e a Easyjet terem anunciado cortes nos postos de trabalho, a maior transportadora aérea do Médio Oriente prepara-se para reduzir os seus cerca de 100 mil trabalhadores.
O avião da Emirates Airbus A380 no aeroporto de Bandaranaike, no Sri Lanka