Escolha as suas informações

“Efeitos da crise na economia luxemburguesa poderão prolongar-se até 2022”
Economia 18.12.2020

“Efeitos da crise na economia luxemburguesa poderão prolongar-se até 2022”

“Efeitos da crise na economia luxemburguesa poderão prolongar-se até 2022”

Foto: Pierre Matgé
Economia 18.12.2020

“Efeitos da crise na economia luxemburguesa poderão prolongar-se até 2022”

Diana ALVES
Diana ALVES
A crise económica ligada à covid-19 poderá não desaparecer tão cedo. Segundo as estimativas da Câmara do Comércio, os efeitos negativos de toda a situação poderão arrastar-se até 2022 nos setores particularmente atingidos.

No tradicional balanço do ano, no qual aproveita para traçar as suas perspetivas económicas para o ano seguinte, a Câmara do Comércio não esconde que os próximos tempos não serão fáceis para as empresas. 

O organismo constata que a segunda vaga da pandemia e as restrições sanitárias vão afetar a economia em 2021, e teme que o choque na procura e na oferta prolonguem os efeitos negativos da crise até 2022.

A instituição alerta que os efeitos da crise irão variar de forma muito distinta de setor para setor. Enquanto alguns poderão sair-se bem, outros irão sofrer uma “transformação profunda” que poderá obrigá-los a abandonar por completo o modelo de negócio pré-covid.

A instituição defende que as “medidas de apoio às empresas têm de ser mantidas e, provavelmente alargadas, para assegurar a sobrevivência das empresas e garantir a retoma pós-covid”, embora reconheça que o pacote de ajudas terá, por sua vez, repercussões ao nível dos cofres do Estado.


Horeca. Primeiras ajudas para cobrir custos fixos deverão ser atribuídas este mês
O projeto de lei sobre a matéria deverá ser votado pelo Parlamento esta semana.

O organismo frisa também que além dos setores da horeca, eventos, turismo, comércio de retalho e cultura – considerados os mais atingidos pela crise –, há que não esquecer os mais de 30.000 trabalhadores independentes. 

Trabalhadores que não só estão mais expostos ao risco de pobreza, como tendem a exercer em setores vulneráveis à crise. Razão pela qual defende que estes trabalhadores também tenham direito às ajudas estatais.

Também a Câmara do Comércio olha para a vacina com esperança, embora considere que serão necessários vários meses até que os efeitos do fármaco na economia sejam visíveis.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Câmara de Comércio apresenta plano de recuperação
Reforçar a competitividade da economia, apostar no investimento público, apoiar o emprego, promover a inovação e desenvolver um sistema fiscal atrativo são algumas das ideias para assegurar uma recuperação sustentável favorável das empresas.
Para a Câmara do Comércio, o Estado deve manter os investimentos públicos