Escolha as suas informações

Desemprego nos Estados Unidos em mínimos de quase 50 anos
Economia 04.10.2019

Desemprego nos Estados Unidos em mínimos de quase 50 anos

Desemprego nos Estados Unidos em mínimos de quase 50 anos

Foto: Reuters
Economia 04.10.2019

Desemprego nos Estados Unidos em mínimos de quase 50 anos

Perante os sinais de que a guerra comercial com a China está a ter efeitos na economia, um mercado de trabalho forte é essencial para amortecer uma crise económica.

A taxa de desemprego nos Estados Unidos caiu para 3,5%, o nível mais baixo em quase 50 anos e o emprego cresceu de forma moderada em setembro. Estes dados devem ajudar a aliviar os receios dos mercados financeiros em relação a uma eventual crise económica devido à guerra comercial.

No entanto, o relatório do Departamento do Trabalho norte-americano mostrou que o crescimento salarial mensal permaneceu inalterado, que a massa salarial na indústria transformadora diminuiu pela primeira vez em seis meses, e que o setor retalhista continuou a perder postos de trabalho.

O relatório foi divulgado pouco depois de uma série de dados económicos, que deram conta de uma queda da atividade industrial para mínimos de dez anos e um abrandamento significativo no crescimento dos setores dos serviços e indústria para níveis vistos em 2016.

Perante os sinais de que a guerra comercial com a China está a ter efeitos na economia, um mercado de trabalho forte é essencial para amortecer uma crise económica.

Apesar dos números do desemprego, os analistas esperam que a reserva federal norte-americana (Fed) desça os juros mais uma vez ainda antes do final do ano, tendo em conta a incerteza mundial.


Notícias relacionadas

EUA e China lançam guerra para o domínio do mundo
A escalada de Donald Trump ameaçando taxar os produtos vindos da China em 25% esconde um conflito mais fundo: trata-se do domínio das novas tecnologias do futuro e de uma tentativa de impedir que a mais populosa nação do planeta se torne a primeira potência económica e mesmo militar da Terra. Contacto pediu a opinião aos economistas Francisco Louçã e Nuno Teles sobre as consequências que se preveem na economia mundial.