Escolha as suas informações

Desconto nos combustíveis custou 56 milhões ao Luxemburgo
Economia 2 min. 09.11.2022
Crise energética

Desconto nos combustíveis custou 56 milhões ao Luxemburgo

Crise energética

Desconto nos combustíveis custou 56 milhões ao Luxemburgo

Foto: Getty Images/iStockphoto
Economia 2 min. 09.11.2022
Crise energética

Desconto nos combustíveis custou 56 milhões ao Luxemburgo

Mélodie MOUZON
Mélodie MOUZON
Sem a redução de 7,5 cêntimos por litro, a venda de combustível teria caído ainda mais no país, acredita a ministra do Ambiente.

Numa tentativa de travar a explosão dos preços da energia que se têm feito sentir nos últimos meses, o Governo criou vários apoios, incluindo um desconto de 7,5 cêntimos por litro de combustível, que vigorou entre 13 de abril e 31 de agosto. Numa questão parlamentar, o deputado Marc Goergen (Partido Pirata) quis saber o impacto desta medida sobre o orçamento do Estado.


Fim do desconto em bomba. Vamos passar a encher o depósito em França?
Esta quarta-feira termina o desconto dos combustíveis no Luxemburgo. Em França, a partir de 1 de setembro este desconto passa a ser de 30 cêntimos. Será o fim do turismo de combustível no Grão-Ducado?

Na resposta, a ministra do Ambiente, Joëlle Welfring (Déi Gréng), afirma agora que o custo da medida foi de "56 milhões de euros". Por tipo de combustível, o défice orçamental ascende a 13,7 milhões de euros para a gasolina e 42,3 milhões de euros para o gasóleo.

A ministra recordou que este desconto de combustível foi motivado por decisões semelhantes nos países vizinhos. "Sem esta medida decidida pelo Governo, as vendas teriam caído ainda mais", salientou, descrevendo este desconto como "um compromisso" que não implicou qualquer custo adicional para o Estado.

No final do verão, o Governo foi alvo de críticas após anunciar que não prolongaria o desconto para além do final de agosto. Especialmente porque, na mesma altura, França decidiu aumentar o seu desconto de 18 para 30 cêntimos por litro. 

Na altura o ministro da Energia, Claude Turmes (Déi Gréng), rejeitou as críticas: "De acordo com as últimas estimativas, a perda esperada de receitas fiscais para o Luxemburgo, que resultará da redução francesa, é da mesma ordem de grandeza que o custo que surgiria se medidas semelhantes, como as de França, fossem introduzidas aqui no Luxemburgo", explicou numa resposta parlamentar. A extensão da medida não trouxe, portanto, qualquer vantagem significativa.


Recorde histórico. Outubro de 2022 foi o mais quente de sempre no Luxemburgo
A temperatura média de outubro deste ano bateu o recorde da de outubro de 2006 e foi superior em 2,9ºC à dos restantes meses de outubro desde que há registos.

Setor apoia objetivos climáticos

O turismo de combustível do Luxemburgo está mais do que nunca em apuros. No final de outubro, o Groupement Energie Mobilité Luxembourg (GEML) lançou o alarme, falando de vendas de combustível "catastróficas". As várias crises que se sucedem - a pandemia de covid-19 e a guerra na Ucrânia - tiveram um impacto tremendo nos volumes de vendas de produtos petrolíferos no Luxemburgo, como recordou o presidente do GEML.  

Os descontos vantajosos introduzidos nos países vizinhos levaram a uma enorme perda de competitividade para o setor petrolífero no Luxemburgo. No entanto, a indústria diz querer apoiar os objetivos climáticos do Governo.

Na altura, o ministro da Energia recordou que o turismo na bomba já não é um objetivo, mas que "o país deve reduzir as suas emissões de CO2 em 55% até 2030, que inclui também uma redução gradual na venda de gasolina e gasóleo".

A ideia é que a médio prazo "menos pessoas vindas do estrangeiro venham ao Luxemburgo para reabastecer, como é o caso atualmente".

(Este artigo foi originalmente publicado no Virgule e adaptado para o Contacto por Maria Monteiro.)

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

É uma proposta do Déi Gréng. O partido ecologista defende a atribuição de uma ajuda de 1.000 euros às famílias para fazer face à crise energética atual. Apoio esse que deve ser disponibilizado o quanto antes, enquanto se espera um eventual acordo tripartido.