Escolha as suas informações

Dívida pública ultrapassa 100% do PIB: Fitch desce rating de Moçambique
Economia 2 min. 30.04.2016 Do nosso arquivo online

Dívida pública ultrapassa 100% do PIB: Fitch desce rating de Moçambique

Maputo

Dívida pública ultrapassa 100% do PIB: Fitch desce rating de Moçambique

Maputo
REUTERS
Economia 2 min. 30.04.2016 Do nosso arquivo online

Dívida pública ultrapassa 100% do PIB: Fitch desce rating de Moçambique

A agência de notação financeira Fitch desceu na sexta-feira o 'rating' de Moçambique de B para CCC devido à "deterioração abrupta do perfil da dívida pública", que deverá ultrapassar os 100% do PIB já este ano.

A agência de notação financeira Fitch desceu na sexta-feira o 'rating' de Moçambique de B para CCC devido à "deterioração abrupta do perfil da dívida pública", que deverá ultrapassar os 100% do PIB já este ano.

"O perfil da dívida pública de Moçambique deteriorou-se abruptamente no seguimento divulgação de mais dívida garantida pelo Estado, que tinha sido previamente excluída das estatísticas oficiais", lê-se no relatório sobre a ação de 'rating' da Fitch.

Na nota que dá conta desta ação de 'rating', a primeira depois da divulgação feita esta semana do valor total da dívida pública não divulgada - 1,4 mil milhões de dólares -, a Fitch reviu também as previsões para o rácio da dívida pública face ao Produto Interno Bruto, calculando agora que a dívida valha 83,3% do PIB no final de 2015.

"A nossa previsão aponta para uma deterioração maior do metical em 2016, que deverá provavelmente elevar o rácio da dívida face ao PIB para mais de 100% em 2016, o valor mais alto dos últimos 15 anos e que compara com apenas 37,8% em 2011", acrescenta a agência.

Mesmo sem serem ainda conhecidos na totalidade os termos dos empréstimos contraídos nos últimos anos pelas empresas públicas moçambicanas com a chancela do Governo, "é certo que a natureza comercial desses financiamentos vai levar a uma deterioração do calendário do serviço da dívida e da sua sustentabilidade, que até recentemente a Fitch considerava favorável dada a alta percentagem de empréstimos concessionais (a taxas de juro mais baixas que as comerciais)", afirma a agência.

A "falta de transparência" do Governo de Maputo evidencia as fraquezas nos padrões de governação e na moldura de políticas públicas, e enfraquece as relações com os doadores, que fornecem cerca de 9% do PIB em garantias e empréstimos anuais, diz a Fitch, notando ainda que as conversações com o Fundo Monetário Internacional (FMI), atualmente em curso, são muito importantes.

"O resultado das negociações em curso com o FMI, que suspendeu o progama de facilitação de crédito acordado em dezembro de 2015, serão cruciais para determinar o impacto macroeconómico dos desenvolvimentos recentes", diz a agência.

Uma paragem completa da assistência técnica e financeira do FMI é "altamente improvável", mas para a Fitch o Fundo "deverá exigir uma gestão pública e metas orçamentais muito mais rigoross para continuar a desembolsar verbas através do programa de facilidade de crédito".

A crise da dívida pública em Moçambique eclodiu no princípio de março, quando depois da operação de recompra de obrigações da Empresa Moçambicana de Atum (Ematum) e substituição por títulos de dívida soberana, foram divulgados dois empréstimos não reportados, um de 622 milhões de dólares à Proindicus e outro de mais de 500 milhões a outra empresa pública, o que por sua vez desencadeou uma série de revisões do 'rating' do país e uma crise política que ameaça debilitar ainda mais a economia moçambicana.


Notícias relacionadas

Moody's tirou Portugal do lixo
Mais de sete anos depois de colocar a dívida soberana do país num grau de investimento especulativo, a agência de notação financeira foi a última a retirá-la dessa categoria. Já a DBRS manteve a classificação com tendência estável.