Escolha as suas informações

Crise ainda não teve impacto no setor bancário luxemburguês
Economia 14.09.2020

Crise ainda não teve impacto no setor bancário luxemburguês

Crise ainda não teve impacto no setor bancário luxemburguês

Foto: Pierre Matgé
Economia 14.09.2020

Crise ainda não teve impacto no setor bancário luxemburguês

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Segundo o presidente da Associação de Bancos e Banqueiros é difícil prever o que vai acontecer, e quantas empresas vão entrar em insolvência.

"O setor bancário ainda não sente os efeitos da crise sanitária ligada à covid-19". As palavras são do presidente da Associação de Bancos e Banqueiros do Luxemburgo (ABBL), Guy Hoffmann.

O responsável defendeu em entrevista à RTL que as consequências da crise ainda não são visíveis no setor, mas deverão surgir nos próximos meses. Segundo o presidente da ABBL é difícil prever o que vai acontecer, e quantas empresas vão entrar em insolvência, acrescentando que se não houver retoma económica, os bancos mais pequenos poderão sofrer consequências graves.

No entanto, Guy Hoffmann salienta que não teme grandes problemas para a banca do Luxemburgo, já que tem "boas reservas". O responsável acrescenta ainda que a crise representa uma pressão para o setor que já sentia algumas dificuldades antes da crise, nomeadamente devido aos juros baixos nomeadamente na aquisição de um crédito. 


Banco BIL multado em 4,6 ME por falhas na luta contra branqueamento de capitais
A Comissão de Supervisão do Setor Financeiro (CSSF, na sigla francesa) sancionou o banco BIL ao pagamento de 4,6 milhões de euros por falhas na luta contra o branqueamento de capitais e terrorismo.

Guy Hoffmann frisa ainda que a crise sanitária mudou o mundo do trabalho, sem exceção para o setor bancário, que também recorreu em grande medida ao teletrabalho. Uma forma de trabalhar que os bancos deverão manter mesmo depois da crise.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Covid-19. Despedimentos em massa no final da crise?
Num confinamento que não se sabe quando terminará, muitos se questionam sobre o futuro pós-covid-19 e o consequente regresso à normalidade. As questões relacionadas com o emprego e como se vai portar a economia do país são de particular pertinência sobre os próximos tempos que muitos temem vir a ser sombrios.
Editorial: Um Eldorado em contagem decrescente
Para a maioria dos europeus, alguém que vive no Luxemburgo provavelmente ainda trabalha num banco. Uma imagem criada ao longo de várias décadas em que o setor da banca cresceu exponencialmente, chegando às 212 empresas sediadas no Grão-Ducado. Algumas dessas instituições passaram a integrar a lista dos principais empregadores do país, com as convenções coletivas a garantirem que uma pequena fatia da riqueza que era criada – ou, em larga medida, desviada – era destinada aos empregados do setor. Um Eldorado com que milhares de jovens sonhavam. Até que chegou 2008…