Escolha as suas informações

Covid-19. Estivadores impedidos de cumprirem requisição civil
Economia 2 min. 18.03.2020

Covid-19. Estivadores impedidos de cumprirem requisição civil

Covid-19. Estivadores impedidos de cumprirem requisição civil

Foto: Contacto
Economia 2 min. 18.03.2020

Covid-19. Estivadores impedidos de cumprirem requisição civil

Governo ordenou a requisição civil porque os serviço mínimos não estariam a ser cumpridos pelos estivadores em greve mas pela segunda manhã consecutiva os trabalhadores foram impedidos de cumprir esses serviços pela empresa.

"Os trabalhadores estão a ser impedidos de entrarem nos terminais do porto de Lisboa para trabalharem. Nós chamámos a Polícia Marítima. Há aqui uma situação de 'lock out'", disse à Lusa o presidente SEAL. 

António Mariano recordou que a resposta do Governo face à greve foi a requisição civil, apesar de os trabalhadores estarem a cumprir os serviços mínimos desde o início da paralisação, sublinhando que apesar da iniciativa do Governo as empresas não permitem a entrada dos estivadores.

"Há uma requisição civil por parte do Governo. Estão a acusar os trabalhadores de se recusarem a trabalhar e de não cumprirem os serviços mínimos, mas desde o início da greve que o sindicato escala todos os trabalhadores para os serviços mínimos para os quais são requisitados e desde terça-feira que assistimos a esta situação", frisa.

Para o presidente do SEAL a situação é inaceitável porque face à ordem do Governo "na prática" é o sindicato que recebe as requisições para colocar os trabalhadores nos navios elaborando as escalas.

Mas, refere, "neste momento" metade dos estivadores do porto de Lisboa estão a ser impedidos de trabalhar.

"Alguém terá de explicar como é que no meio de uma pandemia (Covid-19) se consegue criar aqui uma situação que para nós é uma 'mistificação´ de um supostamente incumprimento de serviços mínimos quando o que temos aqui é claramente um ´lock out' por parte das empresas", acusa. 

"A questão é que as empresas que pretendem levar à insolvência abriram companhias paralelas ao lado e aqui reside a questão do despedimento encapotado. Pode ser isto a que estamos a assistir. Não há tentativa de despedimento de 54 pessoas mas sim de todos os estivadores da empresa de trabalho portuário de Lisboa", disse ainda António Mariano.

Na terça-feira à noite, o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, publicou um comunicado no Facebook em que referia o "não cumprimento dos serviços mínimos" e a "necessidade de assegurar o abastecimento" como motivos que forçaram o governo a recorrer à requisição civil. Contudo, o que o Contacto verificou esta manhã é que é precisamente a empresa que está a impedir os estivadores de acederem ao porto.

O SEAL tenciona emitir ainda hoje um comunicado dirigido ao Governo sobre a situação que se vive no porto de Lisboa. Para o sindicato, a greve mantém-se inalterada estando a registar-se atrasos nos pagamentos dos salários e verificando-se o incumprimento do acordo de 2018 estando também em cima da mesa a insolvência da A-ETPL, Associação-Empresa de Trabalho Portuário de Lisboa.

Com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Empresa impede entrada de estivadores no Porto de Lisboa
Trabalhadores portuários que estão em greve até 13 de abril tentavam aceder ao Porto de Lisboa para garantir a movimentação de cargas de bens essenciais quando o país está em estado de alerta mas a sua entrada foi barrada pela empresa insolvente.
Empresa de trabalho portuário de Lisboa vai pedir insolvência
A AETPL, entidade de cedência de mão-de-obra às sete empresas de estiva do Porto de Lisboa, anunciou que vai pedir insolvência devido à situação financeira. Estivadores começaram greve há três dias e denunciaram ao Contacto que a empresa seguia estratégia encapotada para criar outra entidade com condições laborais piores.