Escolha as suas informações

Covid-19. Aviação vai perder 70 mil milhões de euros só na Europa
Economia 2 min. 26.03.2020

Covid-19. Aviação vai perder 70 mil milhões de euros só na Europa

Covid-19. Aviação vai perder 70 mil milhões de euros só na Europa

Foto: dpa
Economia 2 min. 26.03.2020

Covid-19. Aviação vai perder 70 mil milhões de euros só na Europa

Lusa
Lusa
Há empresas de transportes aéreos que depois da pandemia vão ter que fechar, segundo garante a associação do setor, IATA.

A Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA) estimou hoje perdas superiores a 70 mil milhões de euros nas receitas com passageiros para as companhias aéreas europeias em 2020, que são das mais afetadas do mundo pela pandemia de covid-19.

“Estimamos uma perda nas receitas com passageiros de 76 mil milhões de dólares [pouco mais de 70 mil milhões de euros] este ano para as companhias aéreas na Europa”, declarou hoje o vice-presidente regional para a Europa da Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA, na sigla em inglês), Rafael Schvartzman.

Em declarações aos jornalistas numa teleconferência sobre o impacto económico da pandemia para o setor aeronáutico europeu, o responsável indicou que nesta que é “uma crise sem precedentes para o setor” há transportadoras aéreas europeias “que só terão dinheiro disponível para uma suspensão [das suas operações] por dois meses”.

“Há outras companhias que poderão nem ter isso disponível”, destacou.

Segundo Rafael Schvartzman, uma vez que a Europa é o centro da pandemia “será, certamente, um dos continentes mais afetados por perdas no setor da aviação”, juntamente com o asiático.

“Nunca vimos uma crise como esta e, por isso, acreditamos que este é o momento de os governos apoiarem o setor”, instou o responsável, apelando para ajudas diretas dos Estados às companhias aéreas.

Já falando sobre a anunciada suspensão das regras da União Europeia (UE) entre março e outubro no que toca à atribuição dos ‘slots’ às companhias aéreas, dando mais flexibilidade na utilização destas faixas horárias de descolagem e aterragem, Rafael Schvartzman saudou as medidas adotadas pela Comissão Europeia.

Ainda assim, exortou a mais mexidas temporárias nas regras comunitárias, dada esta “situação excecional”, que a seu ver devem passar a permitir que, em vez de reembolsos aos passageiros, as companhias aéreas possam atribuir ‘vouchers’ com o valor pago pelos clientes com voos cancelados, o que já acontece nalgumas companhias aéreas.

“A ideia de dar os ‘vouchers’ é porque, de outra forma, estas empresas não terão dinheiro disponível para manter o seu negócio”, explicou Rafael Schvartzman.

O vice-presidente regional para a Europa da IATA admitiu ainda que, sem apoios governamentais ou institucionais, “será muito difícil para as companhias sobreviverem”.

“E não estamos só a falar das que já são frágeis, estamos também a falar das que vão sair vulneráveis desta crise”, adiantou Rafael Schvartzman.

A IATA agrega 290 companhias aéreas, que representam 82% do tráfego mundial.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Quem está a pagar a crise nas companhias aéreas?
Uma crise sem precedentes obrigou alguns governos a interferir para salvar companhias aéreas. Estas querem optar pelo adiamento dos reembolsos dos passageiros que viram os voos cancelados. Qual é, afinal, a solução?