Escolha as suas informações

Costa defende compra conjunta na UE de combustíveis
Economia 2 min. 12.11.2021
Energia

Costa defende compra conjunta na UE de combustíveis

Energia

Costa defende compra conjunta na UE de combustíveis

Foto: LUSA
Economia 2 min. 12.11.2021
Energia

Costa defende compra conjunta na UE de combustíveis

Lusa
Lusa
Primeiro-ministro português advogou também “melhores interligações [elétricas] com a Península Ibérica, especialmente com a França”.

O primeiro-ministro português, António Costa, defendeu esta sexta-feira, ao lado do seu homólogo espanhol, Pedro Sánchez, a compra conjunta na União Europeia (UE) de combustíveis, quando a Europa enfrenta uma crise energética e o gasóleo e a gasolina atingem máximos.

“Temos de criar condições que conduzam a Europa a enfrentar desafios como o preço dos combustíveis fósseis. Como o Pedro [Sánchez] propôs, deveríamos ter […], como aconteceu com a estratégia de vacinação, uma estratégia comum de aquisição combustíveis fósseis”, declarou António Costa, participando enquanto secretário-geral do PS na conferência “A Grande Transformação” organizada pelo grupo dos Socialistas e Democratas (S&D) no Parlamento Europeu, em Paris.

“Não é possível apenas estalar os dedos e passar dos combustíveis para os carros elétricos”, acrescentou.

Defendendo um “verdadeiro mercado de energia a nível europeu”, numa altura de crise energética que pressiona os preços dos combustíveis, António Costa advogou também “melhores interligações [elétricas] com Península Ibérica, especialmente com a França”.

Maior aposta nas energias renováveis

“É preciso enfrentar os problemas quotidianos e garantir que as pessoas têm a possibilidade de trabalhar, de se manter quentes e de continuar a fazer as suas vidas”, assinalou o secretário-geral do PS.

Uma outra solução defendida por António Costa foi a de maior aposta nas energias renováveis.

“Um bom exemplo é o que está a acontecer em Portugal hoje. O preço dos combustíveis fósseis está a subir, mas o preço da eletricidade vai diminuir em janeiro e porquê? Porque começámos a investir fortemente nas energias renováveis há 15 anos, pelo que 60% do nosso mix energético é agora proveniente de fontes renováveis”, salientou.

“E é precisamente por isso que os preços da energia e dos combustíveis fósseis estão a subir, mas o preço da eletricidade está a descer, portanto é realmente necessário aumentar o investimento em energias renováveis e limpas porque é assim que, a longo prazo, teremos energia barata e energia acessível para todos”, concluiu António Costa.

A escalada dos preços da luz – devido à subida no mercado do gás, à maior procura e à descida das temperaturas – ameaça exacerbar a pobreza energética na Europa e causar dificuldades no pagamento das contas de aquecimento neste outono e neste inverno.

Nesta conferência hoje organizada pelo S&D em Paris, a bancada dos socialistas no Parlamento Europeu lança também um relatório que propõe “medidas ambiciosas e inovadoras para transformar as sociedades modernas, fraturadas por crises sucessivas, em comunidades sustentáveis, mais justas e mais igualitárias”.

O evento contou com a participação do secretário-geral do PS e primeiro-ministro português, António Costa, do secretário-geral do PSOE e presidente do Governo espanhol, Pedro Sánchez, da candidata do Partido Socialista francês às presidenciais e atual presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo, e da presidente do grupo S&D, a espanhola Iratxe García Pérez.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Instabilidade dos mercados e especulação dos produtores está a fazer disparar o preço da eletricidade e eventuais cortes de abastecimento. A UE teme meses frios e de crise económica. A próxima cimeira europeia irá discutir o tema.