Escolha as suas informações

Combustíveis mais baratos só até ao final do mês
Economia 2 min. 10.08.2022
Energia

Combustíveis mais baratos só até ao final do mês

Energia

Combustíveis mais baratos só até ao final do mês

Foto: Lex Kleren
Economia 2 min. 10.08.2022
Energia

Combustíveis mais baratos só até ao final do mês

Redação
Redação
Na terça-feira, o combustível foi vendido no Luxemburgo ao mesmo preço do início da guerra na Ucrânia.

Após uma flutuação constante nos últimos dois meses, os preços dos combustíveis no Luxemburgo voltaram aos níveis de fevereiro, antes do início da guerra na Ucrânia. 

Uma descida que se tem vindo a notar nas últimas semanas, mas que poderá ser sol de pouca dura: os preços atuais dos combustíveis no país são impulsionados pelo desconto de 7,5 cêntimos concedido pelo Governo. Este apoio está previsto terminar a 31 de agosto.

No entanto, a compensação financeira para o gasóleo de aquecimento ficará em vigor até ao dia 31 de dezembro.

Na terça-feira, houve nova queda de preços, e o combustível foi vendido no Luxemburgo ao mesmo preço do início da guerra na Ucrânia, lembra a RTL.  

Esta semana, em relação ao início de junho, os preços caíram até 39 cêntimos  por litro, como se pode perceber pelo gráfico publicado na edição francesa do Wort (aqui reproduzido): o litro do diesel custa agora menos 26,9 cêntimos (€ 1.956 a 9 de junho e € 1.996 a 18 de junho), o preço do litro da gasolina 95 sem chumbo desceu 38,1 cêntimos (€ 1,979 a 9 de junho) e o da gasolina 98 sem chumbo sofreu uma queda de 39,3 centavos (€ 2,27 a 4 de junho e € 2,21 a 9 de junho).


Queda dos preços em todos os combustíveis
Novos valores entraram em vigor à meia-noite.

Qual a razão para este "sobe e desce"?

Mas por que é que apesar da intervenção governamental os preços dos combustíveis continuam a oscilar? O Ministério da Energia explicou ao Contacto, em maio, que "o preço em bomba está diretamente relacionado com o preço do petróleo que é vendido no mercado mundial, um mercado muito volátil atualmente", refere Paul Matzet, do gabinete de imprensa de Claude Turmes. 

A invasão russa da Ucrânia, cujas sanções puseram a descoberto a dependência europeia do petróleo russo, provocaram uma subida drástica dos preços dos produtos petrolíferos. Mas tal já vinha a acontecer mesmo antes da guerra.

"O mercado já estava volátil antes da guerra, impulsionado pela pandemia, em que a produção económica foi reduzida drasticamente devido aos confinamentos, seguido por um forte crescimento económico e uma maior procura de produtos petrolíferos", refere Paul Matzet. Situação que provocou esta subida dos preços.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas