Escolha as suas informações

Com legislação apertada: Uber está em negociações para operar no Luxemburgo
Economia 2 min. 01.10.2016 Do nosso arquivo online

Com legislação apertada: Uber está em negociações para operar no Luxemburgo

Com legislação apertada: Uber está em negociações para operar no Luxemburgo

Foto: Guy Jallay
Economia 2 min. 01.10.2016 Do nosso arquivo online

Com legislação apertada: Uber está em negociações para operar no Luxemburgo

A multinacional Uber está a negociar e a apresentar soluções para operar no Luxemburgo.

A multinacional Uber está a negociar e a apresentar soluções para operar no Luxemburgo.

A Uber, a multinacional norte-americana, de transporte de passageiros em automóveis ligeiros descaracterizados, que funciona através de uma aplicação móvel ou de uma plataforma online, tem tentado obter licença para funcionar no país. Contudo, a regulamentação rigorosa no sector de táxis e no transporte de pessoas tem constituído um entrave à entrada do serviço no Luxemburgo.

A Uber opera nas maiores cidades europeias, como Berlim, Paris e Bruxelas e também Lisboa, onde tem sido alvo de contestação por parte dos taxistas convencionais.

Segundo avançou um porta-voz da Uber, já dezenas de milhares de pessoas anónimas entraram em contacto com a empresa para tentarem obter uma licença de transporte mesmo sem o serviço estar disponível no Grão-Ducado. O responsável também confirmou que estão em conversações com legisladores de maneira a esclarecer todas as dúvidas e a formular o pedido de licenciamento no país.

A nova reforma dos táxis entrou em vigor a 1 de Setembro e apresenta uma série de barreiras no serviço como as novas zonas de licenciamento, que passaram a 6 zonas geográficas, o número limitado de licenças passadas e as licenças para veículos com “emissão zero” de dióxido de carbono. Outra das leis que condiciona a Uber é a duração do tempo das bandeiradas (obrigatoriamente mais de 60 minutos) que podem ser feitas em carros alugados num país da dimensão do Luxemburgo.

Uber: a empresa

A Uber funciona como uma rede de transporte de pessoas. Fundada em 2009, os utilizadores podem reservar um serviço de transporte, semelhante ao táxi, através de uma aplicação móvel, que é reencaminhado para o condutor Uber mais próximo. Os condutores podem utilizar os seus carros pessoais e por norma têm uma formação dada pela empresa.

Para o Luxemburgo, a Uber está interessada em ter dois serviços: o Uber Black, que funciona tipo serviço de motorista num carro de alta cilindrada e o Uber X, com um carro comum.

François Bausch, ministro das Infraestruturas assegura que o governo não se opõe ao serviço da empresa, mas não concorda com a contratação de trabalhadores independentes sem quaisquer benefícios laborais. O Governo pretende que sejam asseguradas deveres e direitos dos prestadores.

Se encontrarem uma solução plausível, o ministro não exclui a hipótese de a Uber entrar no mercado luxemburguês.

Olivier Galle, presidente da Federação de Taxis do Luxemburgo levanta preocupações relacionadas com a segurança dos passageiros e afirma que a Uber não irá ajudar a baixar as taxas no país, até porque estas reflectem os custos laborais legais do Luxemburgo.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Transportes: Taxistas nem querem ouvir falar da Uber
A maioria dos taxistas do Luxemburgo está contra uma eventual vinda da Uber para o Grão-Ducado. Se a plataforma informática que une motoristas independentes começar a operar no país, muitos taxistas temem a “concorrência desleal” e o aumento do desemprego no setor.
Taxistas pedem mão forte e mais fiscalização contra ilegais
A nova lei que rege o sector dos táxis no Luxemburgo entrou em vigor no dia 1 de Setembro. A mudança que mais polémica tem gerado entre os taxistas é a que determina que o cliente deixa de ser obrigado a apanhar o primeiro táxi da fila. Os profissionais do sector pedem ainda mais fiscalização no combate aos taxistas ilegais.
 “Os ´pescadores´ (taxistas ilegais) continuam aí e são cada vez mais. São concorrência desleal a quem paga impostos e acabam por roubar o Estado”, denuncia Aires Santos, da Taxis Morgado, em Esch-sur-Alzette