Escolha as suas informações

China. Todas as empresas que obedecerem às sanções de Trump irão para uma lista negra
Economia 31.05.2019

China. Todas as empresas que obedecerem às sanções de Trump irão para uma lista negra

China. Todas as empresas que obedecerem às sanções de Trump irão para uma lista negra

Foto: AFP
Economia 31.05.2019

China. Todas as empresas que obedecerem às sanções de Trump irão para uma lista negra

"As empresas, organizações e particulares estrangeiros que não obedecerem às regras do mercado, que se afastam do espírito de um contrato, que impõem embargos ou param de fornecer empresas chinesas por razões não comerciais e danificam gravemente os seus interesses e direitos legítimos serão colocados numa lista de entidades não confiáveis", disse o porta-voz do Ministério do Comércio da China, Gao Feng.

 O Governo chinês vai criar a sua própria lista negra de empresas estrangeiras "não fiáveis", anunciou, esta sexta-feira,  o Ministério do Comércio, em plena rivalidade comercial e tecnológica com os Estados Unidos.

Este anúncio surge depois de o gigante das telecomunicações chinês Huawei ter sido colocado em meados deste mês por Washington numa lista de empresas suspeitas às quais as entidades norte-americanas não podem vender equipamentos tecnológicos.

A Huawei, que depende dos 'chips' eletrónicos de fabrico norte-americano para equipar os seus telemóveis, foi assim severamente atingida, referem analistas citados pela AFP. Embora a companhia chinesa tenha feito compras de chips que lhe permitem continuar a laborar durante parte do ano, e esteja a desenvolver os seus próprio ships em alternativa aos norte-americanos. 

A medida anunciada hoje por Pequim aparece como uma resposta à ofensiva da administração Trump contra a Huawei.

"As empresas, organizações e particulares estrangeiros que não obedecerem às regras do mercado, que se afastam do espírito de um contrato, que impõem embargos ou param de fornecer empresas chinesas por razões não comerciais e danificam gravemente os seus interesses e direitos legítimos serão colocados numa lista de entidades não confiáveis", disse o porta-voz do Ministério do Comércio da China, Gao Feng.

Esta nova medida é anunciada na véspera da entrada em vigor de novas taxas aduaneiras punitivas na China sobre produtos norte-americanos, quase um ano depois do início das hostilidades comerciais desencadeadas pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Com Lusa

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas