Escolha as suas informações

Chanceler alemã admite que acordo sobre orçamento da UE será muito difícil
Economia 19.02.2020

Chanceler alemã admite que acordo sobre orçamento da UE será muito difícil

Chanceler alemã admite que acordo sobre orçamento da UE será muito difícil

Foto: AFP
Economia 19.02.2020

Chanceler alemã admite que acordo sobre orçamento da UE será muito difícil

Lusa
Lusa
Os líderes europeus vão reunir-se na quinta-feira, em Bruxelas, para discutir o próximo orçamento plurianual da UE e vários dirigentes confrontam-se sobre a forma de compensar a contribuição britânica após o ‘Brexit’.

A chanceler alemã, Angela Merkel, admitiu hoje que as negociações em Bruxelas sobre o próximo orçamento plurianual da União Europeia (UE) – o primeiro pós-Brexit - serão “muito difíceis e complicadas”.

“Acreditamos que nossas preocupações ainda não foram levadas suficientemente em conta em muitas áreas e, portanto, prevejo negociações muito difíceis e complicadas”, disse, numa conferência de imprensa em Berlim, realizada em conjunto com a primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin.

Os líderes europeus vão reunir-se na quinta-feira, em Bruxelas, para discutir o próximo orçamento plurianual da UE e vários dirigentes confrontam-se sobre a forma de compensar a contribuição britânica após o ‘Brexit’.

Com menos um Estado-membro, a UE tem pela frente um trabalho difícil equilíbrio entre as chamadas políticas tradicionais - coesão (destinada às regiões menos desenvolvidas) e agricultura - e as novas prioridades, nomeadamente a luta contra as mudanças climáticas e a afirmação do bloco no cenário geopolítico, através da segurança e da defesa.

França, tal como cerca de outros 15 Estados-membros, quer aproveitar a saída do Reino Unido da UE para acabar com os descontos concedidos a cinco países (Alemanha, Dinamarca, Países Baixos, Áustria e Suécia) a fim de reduzir as suas contribuições nacionais.

Estes países – que receberam a alcunha de “os Quatro Frugais”, já que, neste caso, a Alemanha é menos específica -, também reivindicam um orçamento europeu em que as contribuições nacionais sejam limitadas a 1% do rendimento nacional bruto da Europa.

Por outro lado, os denominados “Amigos da Coesão”, cerca de 15 países do sul, centro e leste da Europa, estão preocupados com os cortes anunciados nas chamadas políticas “tradicionais”, já que são os seus principais beneficiários.

A Alemanha, país mais rico da Europa, financia um quinto (20%) do orçamento europeu, valor que deve subir para 25% no novo orçamento.


Notícias relacionadas

Orçamento Europeu. Bruxelas, clube de combate
A cimeira europeia extraordinária para discutir o orçamento para 2021-27 começou sem fim à vista. O ambiente entre os vários países é de grande conflito de interesses, um ringue de boxe. À chegada, o primeiro-ministro polaco disse que estas são as negociações mais duras de todas.
Orçamento UE: Portugal vai pagar mais
De acordo com o quadro financeiro plurianual proposto pela Comissão Europeia, Portugal vai passar a pagar mais à União Europeia (UE) embora o montante que recebe continue a ser superior.