Escolha as suas informações

Camaïeu abandona Luxemburgo e atira 12 trabalhadores para o desemprego
Economia 21.09.2020

Camaïeu abandona Luxemburgo e atira 12 trabalhadores para o desemprego

Camaïeu abandona Luxemburgo e atira 12 trabalhadores para o desemprego

DR
Economia 21.09.2020

Camaïeu abandona Luxemburgo e atira 12 trabalhadores para o desemprego

Desde maio na corda bamba, a marca francesa vai mesmo encerrar as três lojas no Grão-Ducado.

As três lojas da Camaïeu no Luxemburgo já estão à procura de um novo inquilino. A notícia foi confirmada ao Paperjam pela consultora imobiliária que está a gerir o trespasse. 

Embora a marca de roupa feminina tenha encontrado um investidor para manter as lojas abertas em França, a decisão foi abandonar o negócio no Grão-Ducado. 

Numa "questão de semanas" as lojas da Avenue de la Gare, na capital, da Rue de l'Alzette, em Esch e do Belval Plaza vão esvaziar-se. Todos os trabalhadores vão para o desemprego. São 12. 

Embora a notícia não tenha sido ainda oficializada pela Camaïeu, certo é que o processo de insolvência aberto em maio abalou as estruturas da empresa, cujo novo investidor foi oficializado há cerca de duas semanas. 

De acordo com a imprensa francesa, a Financière Immobilière Bordelaise adquiriu 511 lojas e 2.659 empregados, das 634 lojas da empresa e dos 3.146 empregados actuais. De fora do negócio ficaram as lojas não só do Grão-Ducado como também da Bélgica e da Suíça.

Gare esvaziada 

Fustigada pelas obras do tram, que na melhor das hipóteses estarão concluídas no fim do ano, a Avenue de la Gare é o espelho da crise que afeta os retalhistas no país. 

Depois da Veritas e da H&M, também a Camaïeu vai abandonar a rua que se distingue pelo comércio. Vítima do confinamento e da mudança dos hábitos de consumo que acompanha a pandemia, o bairro da Gare vê o comércio local cada vez mais reduzido. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.