Escolha as suas informações

Cafés vão ter ajudas ao investimento
Economia 2 min. 30.03.2018 Do nosso arquivo online

Cafés vão ter ajudas ao investimento

Cafés vão ter ajudas ao investimento

Economia 2 min. 30.03.2018 Do nosso arquivo online

Cafés vão ter ajudas ao investimento

Os cafés e ’bistros’ vão poder candidatar-se a ajudas públicas ao investimento. Os novos incentivos foram anunciados pela secretária de Estado da Economia, Francine Closener. No entanto, não foram ainda dados detalhes sobre os critérios que os proprietários terão de satisfazer para terem direito àqueles auxílios.

Em comunicado, explica-se que os investimentos feitos pelos cafés e ’bistros’ serão comparáveis aos realizados por restaurantes, hotéis e outras PME. Acrescenta-se que o projeto de lei relativo às ajudas aos investimento das PME estão atualmente em processo legislativo e as novas regras abrirão esta nova possibilidade. O Contacto questionou o Ministério da Economia sobre estas novas ajudas, mas até ao fecho da edição não obteve resposta.

Francine Closener justificou a medida com a importância de as empresas do chamado setor Horeca – que inclui restaurantes, cafés, bares, hotéis – investirem nos seus estabelecimentos para satisfazerem uma clientela cada vez mais exigente em termos de qualidade de serviço. A governante destacou ainda, citada pela RTL, a importância do papel social dos cafés nas cidades, nos bairros e nas aldeias, pelo que é importante que também os cafés tenham direito a ajudas ao investimento.

Atualmente, a lei prevê já algumas ajudas ao investimento das PME que tenham morada fixa e estável no Luxemburgo, cuja autorização de estabelecimento esteja conforme a lei (de 2011) e que apresentem condições de viabilidade. No entanto, os cafés estão excluídos destes incentivos. Há ainda outras ajudas mais direcionadas aos hotéis, no sentido de modernizar ou construir novos estabelecimentos hoteleiros.

De acordo com os dados do instituto de estatística luxemburguês (Statec), havia 967 cafés no Luxemburgo no ano passado, uma fatia importante do setor da restauração, tendo em conta o total de 2.430 estabelecimentos de restauração. O peso maior vem dos restaurantes (1.350), seguindo-se os cafés e só depois os ’traiteurs’ e ainda outros.

O número de cafés tem registado algumas oscilações ao longo dos anos: eram 1.289 em 2005 e são agora menos de mil. A tendência de queda agudizou-se sobretudo nos anos de crise, a partir de 2011. No entanto, o número de trabalhadores nos cafés tem vindo a subir. Os dados mais recentes do instituto de estatística (relativos a 2015) revelam que o setor empregava, nesse ano, 2.718 trabalhadores, quase mais mil do que os 1.876 assalariados em 2005. O mesmo se passa com o volume de negócios, que tem aumentado até atingir os 207,9 milhões de euros em 2015.

Paula Cravina de Sousa


Notícias relacionadas