Escolha as suas informações

Bruxelas multa cinco bancos em mais de mil ME por cartéis no mercado cambial
Economia 16.05.2019

Bruxelas multa cinco bancos em mais de mil ME por cartéis no mercado cambial

Bruxelas multa cinco bancos em mais de mil ME por cartéis no mercado cambial

Foto: Reuters
Economia 16.05.2019

Bruxelas multa cinco bancos em mais de mil ME por cartéis no mercado cambial

A denúncia partiu do banco de investimento suíço UBS, que também estava envolvido nos acordos.

A Comissão Europeia aplicou hoje uma multa de 1.068 milhões de euros aos bancos Barclays, RBS, Citigroup, JPMorgan e MUFG após concluir que estas cinco instituições bancárias participaram em dois cartéis nos mercados de câmbio de divisas.

O executivo comunitário determinou que vários operadores dos bancos em causa "trocaram informação sensível e planos de negócios, e ocasionalmente coordenaram as suas estratégias comerciais em várias salas de ‘chat’ na Internet". "Estas trocas de informações, associadas ao entendimento tácito a que chegaram os operadores, permitiu-lhes tomar decisões de mercado informadas sobre se devem vender ou comprar as dividas que tinham nas suas carteiras e quando", aponta o organismo europeu. 

O primeiro cartel chamado de "Three Way Banana Split" (o nome do chat online onde os membros discutiam as transações), diz respeito a dois bancos britânicos, Barclays e RBS, e outros dois americans, o US Citigroup e o JPMorgan. Durou entre 18 de dezembro de 2007 e terminoua 31 de janeiro de 2013, escreve a AFP. O segundo foi chamado de "Essex Express" (todos os corretores envolvidos, com exceção de "James", moravam em Essex, a leste de Londres e apanhavam os mesmo comboio) novamente com relação ao Barclays e ao RBS, mas neste caso também estavam envolvidos japoneses do MUFG (anteriormente chamado de Bank of Tokyo-Mitsubishi). Neste caso, A infração durou entre 14 de dezembro de 2009 e 31 de julho de 2012. 

Os corretores do banco suíço UBS também estavam envolvidos em ambos os acordos, mas foi esta mesma instituição que denunciou o caso à Comissão Europeia, que abriu uma investigação em setembro de 2013. Por esta razão, beneficiou da "amnistia" de Bruxelas , guardiã da concorrência na Europa, e, portanto, foi ilibada do pagamento de uma multa. 

Contacto com agências


Notícias relacionadas