Escolha as suas informações

Bruxelas investiga impostos pagos por empresa finlandesa no Luxemburgo
Economia 2 min. 07.03.2019

Bruxelas investiga impostos pagos por empresa finlandesa no Luxemburgo

Bruxelas investiga impostos pagos por empresa finlandesa no Luxemburgo

Foto: AFP
Economia 2 min. 07.03.2019

Bruxelas investiga impostos pagos por empresa finlandesa no Luxemburgo

Acordos fiscais terão permitido à Huhtamäki reduzir a sua fatura fiscal.

A Comissão Europeia abriu mais uma investigação aprofundada a acordos fiscais feitos entre o Luxemburgo e mais uma empresa. Desta vez, é a empresa finlandesa de embalagens de comida e bebidas, Huhtamäki.

Em causa poderão estar ajudas de Estado indevidas que permitiram à empresa pagar menos impostos. Esta investigação resulta dos acordos divulgados pelo caso Luxleaks. Recorde-se que os auxílios de Estado são considerados ilegais segundo as regras comunitárias, uma vez que colocam em causa as regras da concorrência.

A investigação debruça-se sobre três 'tax rulling' feitos em 2009, 2012 e 2013, entre o Luxemburgo e a empresa Huhtalux , com sede no Luxemburgo. Bruxelas vai investigar os juros efetivamente pagos e cobrados em empréstimos concedidos entre empresas do mesmo grupo.


Notícias relacionadas

Engie. Governo luxemburguês recorre de decisão de Bruxelas junto dos tribunais
O Governo luxemburguês vai contestar a decisão da Comissão Europeia sobre a elétrica Engie. No final de junho, Bruxelas considerou ilegais os acordos fiscais feitos entre a empresa francesa e o Grão-Ducado que permitiram reduzir a fatura fiscal do grupo. O Luxemburgo teria, por isso, de recuperar os 120 milhões de euros que deixou de receber em impostos. No entanto, o Executivo considera que os acordos fiscais respeitam a lei em vigor na altura.
Bruxelas diz que o Luxemburgo concedeu ajudas fiscais ilegais à Engie
Antevê-se mais um braço de ferro entre Luxemburgo e a Comissão Europeia por causa de acordos fiscais feitos entre o Estado e multinacionais. A Comissão Europeia quer que o Luxemburgo recupere mais 120 milhões de euros em impostos que não foram pagos pela empresa francesa Engie. O Governo não tem o mesmo entendimento e diz que a elétrica foi taxada de acordo com as regras aplicáveis na altura.