Escolha as suas informações

Bruxelas dá luz verde a energia renovável
Economia 29.08.2016 Do nosso arquivo online
Luxemburgo investe 150 milhões

Bruxelas dá luz verde a energia renovável

Luxemburgo investe 150 milhões

Bruxelas dá luz verde a energia renovável

Foto: Shutterstock
Economia 29.08.2016 Do nosso arquivo online
Luxemburgo investe 150 milhões

Bruxelas dá luz verde a energia renovável

A Comissão Europeia aprovou os planos do Luxemburgo para estimular a produção de electricidade através de fontes de energia renováveis, considerando que respeitam as normas comunitárias sobre ajudas do Estado, indicou o Executivo comunitário.

A Comissão Europeia aprovou os planos do Luxemburgo para estimular a produção de electricidade através de fontes de energia renováveis, considerando que respeitam as normas comunitárias sobre ajudas do Estado, indicou o Executivo comunitário.

Em Setembro de 2015, o Luxemburgo notificou à Comissão os seus planos de apoio à produção de energia renovável, que prevêem o pagamento de prémios a operadores de instalações de energia eólica, solar, energia hidráulica e biomassa. O orçamento ronda os 150 milhões de euros, a serem aplicados entre 2016 e 2020.

A Comissão considerou agora que as medidas não distorcem a concorrência no sector e que ajudarão o Luxemburgo a cumprir as metas de produção de energia através de fontes renováveis, fixadas para 2020.


Notícias relacionadas

O Grão-Ducado quer atingir os 11% de energia renovável até final de 2020. Pactos com os países bálticos, fomento da produção nacional e um novo imposto sobre o CO2 são algumas das medidas para lá chegar.
O Luxemburgo e a Lituânia assinaram hoje um acordo sobre energias renováveis, o primeiro do género a ser assinado entre dois Estados da União Europeia (UE). Trata-se de um acordo que permitirá, na prática, à Lituânia vender parte da energia produzida através de fontes renováveis ao Luxemburgo. O objetivo é que o Grão-Ducado consiga cumprir a sua meta comunitária de produção de renováveis.
O Grão-Duque, o ministro da Economia, Etienne Schneider, e o ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean Asselborn, deslocaram-se à Lituânia para uma visita oficial de três dias.