Escolha as suas informações

Brexit: Theresa May quer reabrir o acordo de divórcio com a UE
Economia 2 min. 29.01.2019

Brexit: Theresa May quer reabrir o acordo de divórcio com a UE

Brexit: Theresa May quer reabrir o acordo de divórcio com a UE

Foto: Adrian Dennis/AFP
Economia 2 min. 29.01.2019

Brexit: Theresa May quer reabrir o acordo de divórcio com a UE

A primeira-ministra britânica, Theresa May, quer reabrir o acordo de saída que assinou em novembro com a União Europeia, afirmou hoje um porta-voz do Governo, pouco antes do início de um debate sobre o ‘Brexit' no Parlamento.

"O Reino Unido continua a acreditar que é do seu maior interesse sair com um acordo, mas temos de ter um acordo que possa ter o apoio do Parlamento e isso exigirá algumas alterações ao acordo de saída", justificou a mesma fonte numa conferência de imprensa diária.

Os líderes europeus têm repetido que não estão dispostos a reabrir o documento que demorou 17 meses a finalizar, mas os deputados eurocéticos recusam-se a aprovar o texto por discordarem com a solução de salvaguarda para a Irlanda do Norte. Este mecanismo, conhecido por ‘backstop', destina-se a evitar uma fronteira física entre aquela província britânica e a vizinha Irlanda de forma a respeitar os compromissos do acordo de paz de 1998.

A dois meses do ‘Brexit’, os deputados britânicos tentam hoje decidir sobre o rumo deste processo, após terem rejeitado há duas semanas, por uma margem de 230 votos, o acordo de divórcio negociado com Bruxelas.

O debate parlamentar vai culminar na votação de diferentes alternativas, que poderão desde propor o adiamento da data da saída, a 29 de março, a uma proposta para remover e substituir o ‘backstop'. A falta de consenso sobre o acordo aumentou o risco de uma saída sem um memorando de entendimento, o que, de acordo com várias empresas, poderá ter impacto na circulação de bens importados da UE, como medicamentos, produtos alimentares frescos ou peças e materiais usados pela indústria. Ou mesmo papel higiénico


ARCHIV - 24.06.2016, Großbritannien, London: Eine britische Nationalflagge, der Union Jack, weht vor dem Uhrturm Big Ben. (zu dpa-Berichterstattung zum Brexit am 17.01.2019)) Foto: Michael Kappeler/dpa +++ dpa-Bildfunk +++
Brexit: Luxemburgo sem plano financeiro para ajudar empresas se acordo falhar
Além dos planos financeiros, as alfândegas e a proteção dos cidadãos britânicos em solo europeu estão no topo das prioridades de todos os governos.

Após o chumbo do acordo, a primeira-ministra, Theresa May, reuniu com dirigentes de partidos da oposição para tentar sair do impasse. Porém, não aceitou as reivindicações para organizar um novo referendo ou pedir uma extensão do artigo 50.º do tratado europeu, cujo período de dois anos de negociação para o divórcio acaba dentro de 59 dias.

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, recusou falar com May enquanto a primeira-ministra não descartasse uma saída sem acordo e aceitasse discutir a negociação de uma união aduaneira com a UE.

Luxemburgo sem plano financeiro para ajudar empresas se acordo falhar 

Em contraciclo com vários países europeus, o governo luxemburguês anunciou recentemente que não está a preparar um plano financeiro para uma eventual ajudar as empresas luxemburgueses caso não haja acordo entre os deputados britânicos e a União Europeia. No mesmo sentido os empresários luxemburgueses continuam otimistas quanto ao impacto da saída do Reino Unido da União Europeia na economia do Grão-Ducado. 

Contacto com Lusa 


Notícias relacionadas