Escolha as suas informações

Brexit provoca deslocalização de quase 900 mil milhões de euros

Brexit provoca deslocalização de quase 900 mil milhões de euros

Foto: Glyn Kirk/AFP
Economia 07.01.2019

Brexit provoca deslocalização de quase 900 mil milhões de euros

Os bancos, seguradoras e empresas de gestão de ativos deverão deslocalizar quase 900 mil milhões de euros em ativos do Reino Unido para o resto da Europa, como consequência do Brexit.

Os dados constam de um estudo da consultora EY avançado pela agência Bloomberg, publicado numa altura em que a incerteza domina o processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

A consultora afirmou que os valores apresentados podem ser inferiores à realidade, uma vez que há muitas empresas que não declararam publicamente os montante de ativos transferidos.A estimativa considerada conservadora pela consultora baseia-se em declarações de 20 empresas, que já anunciaram deslocalizar os seus ativos para fora de Londres. Já as contas de um outro grupo indicam que 800 mil milhões de euros é o montante que pode vir a ser transferido só para Frankfurt.

Em termos de empregos, o número pode ultrapassar os sete mil postos de trabalho transferidos para fora da capital britânica. Segundo a EY, as empresas estão a tentar contratar trabalhadores localmente, com custos menos avultados do que a transferência dos empregados que estão atualmente em Londres.

Frankfurt tem sido particularmente procurada por bancos: O Goldman Sachs, o UBS, e o Morgan Stanley são três exemplos de instituições que optaram pela cidade alemã. O Luxemburgo tem sido procurado sobretudo por seguradoras.


Notícias relacionadas

O bê-a-bá do Brexit
Quando faltam apenas 12 semanas para a data anunciada do Brexit perceba-se o que ele significa.
Pierre Gramegna: Luxemburgo é "escolha natural" para empresas do pós-Brexit
O Luxemburgo está a tornar-se num sério concorrente na competição que está a surgir em muitos países europeus para atrair empresas, depois de o Reino Unido abandonar a União Europeia. De facto, houve já algumas empresas a revelarem interesse pelo país. Ministro das Finanças afirma que o Luxemburgo é "uma escolha natural".
O ministro das Finanças, Pierre Gramegna, deslocou-se a Singapura numa missão económica.