Escolha as suas informações

Brexit. Luxemburgo poderá perder parceiro que lhe dá mais três mil empregos
Economia 2 min. 14.03.2019

Brexit. Luxemburgo poderá perder parceiro que lhe dá mais três mil empregos

Brexit. Luxemburgo poderá perder parceiro que lhe dá mais três mil empregos

Foto: Pierre Matge
Economia 2 min. 14.03.2019

Brexit. Luxemburgo poderá perder parceiro que lhe dá mais três mil empregos

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
O Luxemburgo tem conseguido atrair as grandes empresas que estão a deixar a praça de Londres.

Depois de o parlamento britânico ter voltado chumbar o acordo de saída do Reino Unido na União Europeia, os empresários luxemburgueses temem perder um parceiro comercial essencial no mercado único europeu. Mas, por outro lado, há boas notícias. O Grão-Ducado poderá vir a ganhar mais três mil empregos, com as empresas que estão a deixar o Reino Unido.


Theresa May e Xavier Bettel
Brexit. Luxemburgo atribuiu licenças a 80 instituições financeiras em 2018
Oitenta instituições financeiras obtiveram licença no ano passado para operar no Luxemburgo. Em causa estão empresas do setor financeiro que procuram permanecer no mercado europeu após o ‘Brexit’.

 "Temos 52 empresas que já confirmaram publicamente a mudança para aqui: 25 gestores de ativos, oito bancos, seis empresas de pagamentos e 12 seguradoras. A minha estimativa é que, a curto prazo, isso criará mais três mil empregos no Luxemburgo", referiu o presidente da agência para o desenvolvimento financeiro "Luxembourg for Finance", Nicolas Mackel, à Euronews.

Apesar da atratividade do Luxemburgo, há um problema que o país tem de resolver: não tem candidatos suficientes com o excelente nível de inglês necessário para preencher as cerca de três mil vagas de emprego.

De acordo com a empresa especializada em caça-talentos Greenfield Luxembourg, citada pela Bloomberg, as seguradoras, as empresas de investimento e os bancos que estão a abrir sedes no Grão-Ducado estão a ter dificuldades em encontrar candidatos que dominem melhor o inglês do que o francês.

 O Grão-Ducado tem sabido, mesmo assim, tirar partido da fuga de gestores de ativos e seguradoras globais da praça de Londres. Empresas de primeira linha como a Blackstone, Carlyle ou JPMorgan têm escolhido o Luxemburgo para estabelecer as suas atividades ou parte delas.  

"Documentação e processos administrativos escritos em inglês, uma elevada cultura financeira e estabilidade", são as razões apontadas para a atratividade do Luxemburgo, explica à Euronews, por seu turno, o presidente da agência para o desenvolvimento financeiro "Luxembourg for Finance", Nicolas Mackel.

"Claro que não nos contentamos com a ideia de perder o Reino Unido da UE. Para nós, o Brexit continua a ser algo em que todos perdem", lamenta, no entanto, Mackel. 


Empresas luxemburguesas não temem o salto no escuro do Brexit
Após o recente 'não' do parlamento britânico ao acordo do Brexit, os empresários luxemburgueses continuam otimistas quanto ao impacto da saída do Reino Unido da União Europeia na economia do Grão-Ducado. Apesar do relógio continuar em contagem decrescente até 29 de março, às 23:59.

Apesar de as grandes companhias grã-ducais já estarem preparadas para o Brexit, o mesmo não se passa com as Pequenas e Médias Empresas (PME). Quem o diz é o diretor de relações externas da Câmara de Comércio do Luxemburgo. Em entrevista à Euronews, Jeannot Erpelding diz que é preciso agora acelerar os esforços para lidar com uma saída sem acordo.

"Agora, tornou-se mais provável que seja um Brexit sem acordo e nesse contexto eles [empresários], de uma certa forma, tiveram que despertar e a Câmara de Comércio tem também procurado ativamente preparar-se para esse cenário." 



Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Pierre Gramegna: Luxemburgo é "escolha natural" para empresas do pós-Brexit
O Luxemburgo está a tornar-se num sério concorrente na competição que está a surgir em muitos países europeus para atrair empresas, depois de o Reino Unido abandonar a União Europeia. De facto, houve já algumas empresas a revelarem interesse pelo país. Ministro das Finanças afirma que o Luxemburgo é "uma escolha natural".
O ministro das Finanças, Pierre Gramegna, deslocou-se a Singapura numa missão económica.