Escolha as suas informações

'Big four' têm contratos de milhões de euros com a Comissão Europeia

'Big four' têm contratos de milhões de euros com a Comissão Europeia

Foto: REUTERS
Economia 10.07.2018

'Big four' têm contratos de milhões de euros com a Comissão Europeia

As chamadas 'big four' – as consultoras PricewaterhouseCoopers, KPMG, E&Y e a Deloitte – têm contratos de milhões de euros com a Comissão Europeia, para serviços de aconselhamento sobre política fiscal. A questão está a levantar problemas de conflitos de interesse, tendo em conta que aquelas consutoras têm estado envolvidas em vários escândalos sobre evasão fiscal.

As chamadas 'big four' – as consultoras PricewaterhouseCoopers, KPMG, E&Y e a Deloitte – têm contratos de milhões de euros com a Comissão Europeia, para serviços de aconselhamento sobre política fiscal. A questão está a levantar problemas de conflitos de interesse, tendo em conta que aquelas consutoras têm estado envolvidas em vários escândalos sobre evasão fiscal.

A notícia é avançada pelo Financial Times, que adianta que em 2016, receberam cerca de oito milhões de euros da Direção-Geral de Impostos da Comissão Europeia e, em janeiro deste ano, receberam mais 10,5 milhões de euros.

As consultoras têm sido alvo de críticas pelo papel de intermediárias entre vários Estados-membros e multinacionais para fazerem acordos fiscais que lhes permitem pagar montantes de imposto muito baixos.

Exemplo disso foi o processo Luxleaks, que envolveu particularmente os acordos fiscais feitos entre grandes empresas e o Estado luxemburguês através da PricewaterhouseCoopers. Os acordos foram feitos quando o atual presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, era primeiro-ministro do Grão-Ducado.

Alguns destes acordos estão a ser investigados precisamente por Bruxelas e os acordos com empresas como a Amazon e a Engie já foram considerados ilegais, com as multinacionais a serem obrigadas a devolver o dinheiro ao Estado luxemburguês.


Notícias relacionadas

Engie. Governo luxemburguês recorre de decisão de Bruxelas junto dos tribunais
O Governo luxemburguês vai contestar a decisão da Comissão Europeia sobre a elétrica Engie. No final de junho, Bruxelas considerou ilegais os acordos fiscais feitos entre a empresa francesa e o Grão-Ducado que permitiram reduzir a fatura fiscal do grupo. O Luxemburgo teria, por isso, de recuperar os 120 milhões de euros que deixou de receber em impostos. No entanto, o Executivo considera que os acordos fiscais respeitam a lei em vigor na altura.
Inspeções do Fisco rendem mais 4,34 milhões de euros
As inspeções feitas pelo Fisco luxemburguês resultaram na exigência de mais de 4,3 milhões de euros em impostos. Os números constam do relatório de atividades da Administração das Contribuições Diretas relativo a 2016.