Escolha as suas informações

BCE pode reduzir compra de ativos para metade
Economia 08.09.2017 Do nosso arquivo online

BCE pode reduzir compra de ativos para metade

BCE pode reduzir compra de ativos para metade

Foto: AFP
Economia 08.09.2017 Do nosso arquivo online

BCE pode reduzir compra de ativos para metade

O Banco Central Europeu já terá tomado a decisão de cortar o programa de compra de ativos. Segundo a Reuters apesar de nada ter sido anunciado na reunião de ontem da instituição liderada por Mario Draghi, há já vários cenários em cima da mesa.

O Banco Central Europeu já terá tomado a decisão de cortar o programa de compra de ativos. Segundo a Reuters apesar de nada ter sido anunciado na reunião da instituição liderada por Mario Draghi, há já vários cenários em cima da mesa.

Segundo a agência noticiosa, parte da solução tem a ver com o montante. O programa está atualmente nos 60 mil milhões de euros até ao final do ano, mas pode diminuir para 40 ou até para 20 mil milhões de euros.

No entanto, será necessário um consenso alargado para levar a medida avante, pelo que a compra de ativos deverá ficar entre os 40 e os 20 mil milhões de euros a partir do próximo ano.

Por outro lado, analisam-se várias hipóteses em termos da necessidade de prolongamento do programa: pode ser de seis ou nove meses. O aumento das taxas de juro só deverá tornar-se realidade depois de terminado o programa de compra de ativos.

Esta solução deverá ser anunciada em Outubro pela equipa de Mario Draghi. Isto poderá significar que o BCE pretende acalmar as críticas de que tem sido alvo por prolongar os estímulos à economia da zona euro.


Notícias relacionadas

BCE baixa juros e relança compra de ativos (atualizada)
As medidas são um pouco menos arrojadas do que chegou a ser esperado pelos mercados e pode ficar a dever-se ao facto de a retoma da compra de ativos ter encontrado resistências importantes entre alguns membros do Conselho do BCE.
BCE mantém taxas inalteradas e revê crescimento em alta
O Banco Central Europeu (BCE) deixou as taxas de juro inalteradas e confirmou que a partir de janeiro vai reduzir o programa de compra de ativos destinado a apoiar a economia da zona euro. Por outro lado, reviu o crescimento da zona euro em alta.