Escolha as suas informações

Banca passa 25 mil milhões de euros por paraísos fiscais
Economia 27.03.2017 Do nosso arquivo online
Luxemburgo no relatório

Banca passa 25 mil milhões de euros por paraísos fiscais

Luxemburgo no relatório

Banca passa 25 mil milhões de euros por paraísos fiscais

Foto: Pierre Matge
Economia 27.03.2017 Do nosso arquivo online
Luxemburgo no relatório

Banca passa 25 mil milhões de euros por paraísos fiscais

Os maiores bancos europeus fizeram passar 25 mil milhões de euros por paraísos fiscais em 2015, o equivalente a um quarto dos seus lucros, denuncia a Oxfam International. O Luxemburgo também surge no relatório.

Os maiores bancos europeus fizeram passar 25 mil milhões de euros por paraísos fiscais em 2015, o equivalente a um quarto dos seus lucros, denuncia a Oxfam International.

O Luxemburgo também surge no relatório: segundo a Bloomberg que cita o documento, os 20 maiores bancos declararam ganhos de 4,9 mil milhões de euros no Grão-Ducado, mais do que no Reino Unido, Suécia e Alemanha combinados.

Só o Barclay's, o quinto maior banco europeu, registou lucros de mais de 500 milhões de euros no Luxemburgo, mas pagou apenas uma taxa efetiva de imposto de 0,2%.

Pelo menos 628 milhões de euros de lucros foram registados pela banca em paraísos fiscais, onde não têm um único trabalhador, avança o relatório.

A organização não governamental de combate à pobreza deu exemplos concretos: o BNP Paribas reportou lucros de 134 milhões de euros em 2015 nas Ilhas Caimão, embora não tenha empregados neste offshore.

Outro caso é o do Deutsche Bank. O maior banco alemão - que tem sido obrigado a pagar várias multas por má conduta - reportou prejuízos na Alemanha, mas lucros de 1,9 mil milhões de euros em paraísos fiscais.

Este tipo de dados ganhou mais visibilidade depois de processos como o Luxleaks ou os Panama Papers, que denunciaram a forma como multinacionais, bancos e consultoras conseguem aproveitar paraísos fiscais e esquemas que lhes permitem pagar montantes de imposto próximos de zero.


Notícias relacionadas

O relatório do Observatório EU Tax analisou uma lista de 17 países ou jurisdições para onde a banca canaliza parte dos seus lucros, fugindo a taxas mais altas nos países sede. O Luxemburgo é a escolha de importantes bancos europeus, como o Deutsche Bank.
Relatório analisou os 20 maiores bancos europeus e a forma como utilizam a fiscalidade de forma seletiva em vários países, com o objetivo de pagar menos impostos. Ministério das Finanças luxemburguês contesta a metodologia utilizada no estudo da organização britânica.
GELLE FRA, PETRUSSE, LUXEMBURG, LUXEMBOURG, PHOTO GUY WOLFF