Escolha as suas informações

Baixas recordes do PIB e do emprego na zona euro
Economia 2 min. 14.08.2020 Do nosso arquivo online

Baixas recordes do PIB e do emprego na zona euro

Baixas recordes do PIB e do emprego na zona euro

Foto: AFP
Economia 2 min. 14.08.2020 Do nosso arquivo online

Baixas recordes do PIB e do emprego na zona euro

Lusa
Lusa
Segundo uma estimativa rápida do gabinete estatístico da UE, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro recuou 15,0% face ao segundo trimestre de 2019 e 12,1% na comparação com os primeiros três meses do ano.

As economias da zona euro e da União Europeia (UE) registaram, no segundo trimestre do ano, os maiores recuos de sempre, tanto na comparação homóloga quanto na trimestral, devido às consequências da pandemia da covid-19, divulga o Eurostat.

Segundo uma estimativa rápida do gabinete estatístico da UE, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro recuou 15,0% face ao segundo trimestre de 2019 e 12,1% na comparação com os primeiros três meses do ano.

A título de comparação os EUA baixaram 9,5% no segundo trimestre de 2020, em relação ao primeiro. 

O PIB da UE, por seu lado, caiu 14,1% na comparação homóloga e 11,7% em cadeia.

Trata-se, em ambas as zonas e variações, da maior quebra desde o início das séries temporais, em 1995.

Em termos de emprego, ele cai 2,8% no segundo trimestre de 2020, depois de uma queda de 0,2% entre janeiro e março deste ano.

O comércio também está em crise

O excedente do comércio externo de bens subiu, na zona euro, em junho, para os 21,2 mil milhões de euros, mas recuou para os 85,9 mil milhões no primeiro semestre, em termos homólogos, segundo dados do Eurostat.

Em junho, o excedente da balança comercial externa aumentou, na zona euro, para 21,2 mil milhões de euros, face ao de 19,4 mil milhões de euros do mês homólogo, mas, devido aos efeitos económicos da pandemia da covid-19, entre janeiro e junho recuou, tendo atingido os 85,9 mil milhões de euros, que se comparam com os 95,8 mil milhões homólogos.

Segundo o gabinete estatístico europeu, as exportações de bens da zona euro para o resto do mundo recuaram 10% em junho, para os 170,3 mil milhões de euros e as importações diminuíram 12,2% para os 149,1 mil milhões de euros.

Na União Europeia (UE), a balança comercial externa de bens viu o seu excedente crescer para os 20,7 mil milhões de euros, face ao de 17,5 mil milhões registado em junho de 2019.

No primeiro semestre do ano, as trocas de bens com o resto do mundo registaram um excedente de 74,1 mil milhões de euros, um recuo na comparação com janeiro-junho de 2019 (85,1 mil milhões de euros).

Em junho, as exportações dos 27 para o resto do mundo recuaram 9,6% em termos homólogos para os 154,4 mil milhões de euros e as importações caíram 12,8% para os 133,7 mil milhões de euros.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Portugal registou, no segundo trimestre do ano, a segunda maior subida da taxa de emprego entre os Estados-membros da União Europeia, com um crescimento de 0,9% face ao trimestre anterior, revelam dados hoje divulgados em Bruxelas pelo Eurostat.
A subida do emprego é um bom sinal para Portugal