Escolha as suas informações

As oito profissões que precisam urgentemente de trabalhadores
Economia 3 min. 07.12.2022
Emprego

As oito profissões que precisam urgentemente de trabalhadores

Os mecânicos são alguns dos profissionais em falta no mercado de trabalho luxemburguês.
Emprego

As oito profissões que precisam urgentemente de trabalhadores

Os mecânicos são alguns dos profissionais em falta no mercado de trabalho luxemburguês.
Foto ilustrativa: Andrea Piacquadio/Pexels
Economia 3 min. 07.12.2022
Emprego

As oito profissões que precisam urgentemente de trabalhadores

Mélodie MOUZON
Mélodie MOUZON
Um estudo do LISER, da ADEM e do Jobfirst examinou os oito grupos de postos de trabalho que não requerem um diploma universitário e que escasseiam.

O mercado de trabalho luxemburguês nunca esteve tão limitado. Existe atualmente um número quase igual de candidatos a emprego (14.669, taxa de desemprego de 4,9%) e ofertas de emprego (13.033) reportadas à ADEM.


Nunca houve tanta falta de trabalhadores no Luxemburgo
As empresas luxemburguesas têm registado números recorde de ofertas de emprego em 2022.

A constante mudança no mercado de trabalho luxemburguês - em particular devido à digitalização, à nova regulamentação e à mudança de hábitos de consumo - está a conduzir a uma "desadequação entre a oferta de competências na procura e as disponíveis no mercado". A correspondência de competências entre aqueles que procuram emprego e aqueles que recrutam está precisamente no centro dos grandes desafios que o Luxemburgo tem pela frente.

Neste contexto, o LISER (Instituto Luxemburguês de Investigação Socioeconómica), a ADEM (Agência para o Desenvolvimento do Emprego) e o portal de busca de emprego Jobfirst levaram a cabo um estudo que identificou oito grupos de profissões em falta em 2021 que não requerem um diploma universitário. Seis deles pertencem ao setor da construção e da indústria:  

  1. Auxiliares de saúde
  2. Ofícios especializados em construção (obras estruturais) e profissões relacionadas
  3. Ofícios da construção (acabamento) e profissões afins
  4. Mecânicos e reparadores de máquinas
  5. Fundidores, soldadores, operários de chapa, caldeireiros, ferrageiros e similares
  6. Ferreiros, fabricantes de ferramentas e profissões afins
  7. Trabalhos especializados em madeira, marceneiros e profissões relacionadas

Setor da construção com maior dificuldade

A questão da automatização do comércio é crucial para explicar estas circunstâncias. De facto, para empregos que podem ser automatizados, "a questão da escassez será provavelmente menos problemática no futuro", dizem os autores do estudo. No entanto, se persistir, corre o risco de "acentuar a substituição de posições vagas por máquinas ou robôs". Os candidatos a emprego, as pessoas inativas e os empregados nestas profissões devem, portanto, ser apoiados para "adquirir competências que lhes permitam executar tarefas pouco suscetíveis de serem automatizadas". 


Luxemburgo deve facilitar contratação de trabalhadores de fora da UE
A Fedil, que representa a indústria do país, considera que há demasiados obstáculos para integrar estas pessoas.

Por outro lado, as funções com com baixos níveis de automatização continuarão a recrutar durante muito tempo. Entre eles estão os auxiliares de saúde, profissões especializadas em construção e acabamento, e mecânicos e reparadores de máquinas. 

Destes setores, as profissões da construção especializada (acabamento) enfrentam a maior dificuldade, tendo 7 desempregados ou inativos para cada 100 vagas. Isto compara-se com 20 pessoas desempregadas por cada 100 vagas para mecânicos e reparadores de máquinas. Para estes setores em particular, é essencial formar os futuros candidatos e candidatos a emprego nas competências específicas exigidas no mercado.

A importância das 'soft skills' no recrutamento

O estudo também analisa as competências que os empregadores estão à procura. "As mais procuradas em profissões com falta de trabalhadores são geralmente competências técnicas específicas do setor", salientam os autores. As soft skills, por outro lado, que se referem às qualidades pessoais dos candidatos, são as mais comuns nas várias profissões e incluem o planeamento de atividades, trabalho de equipa, adaptação à mudança e autonomia no trabalho

Em profissões com baixa intensidade de tarefas diárias, portanto não muito automatizáveis, observa-se uma certa homogeneidade entre as competências exigidas: as referidas soft skills.


A Gare é um dos bairros onde residem mais portugueses.
Portugueses são os mais mal pagos da capital
Os residentes portugueses da capital estão entre os mais desfavorecidos em matéria de salários, com a média a não chegar aos 2 mil euros. Retrato da comunidade lusa na Cidade do Luxemburgo.

Entre estas profissões, destaca-se o auxiliar de saúde, que não só requer muitas soft skills, mas também algumas competências específicas, tais como comunicar com o público e os pacientes, fazer trabalho social e assumir responsabilidades.

As competências exigidas em profissões automatizáveis, com grande intensidade de tarefas diárias, são também muito homogéneas. Relacionam-se quer com uma qualidade pessoal, como o planeamento de atividades, quer com uma capacidade empresarial, tal como seguir padrões de qualidade.

(Este artigo foi originalmente publicado no Virgule e adaptado para o Contacto por Maria Monteiro.)

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A taxa de desemprego diminuiu novamente em agosto, fixando-se agora nos 5,5%. No mesmo mês, a ADEM registou um novo recorde de ofertas de trabalho, com as áreas das finanças e da contabilidade a dominarem as vagas.