Escolha as suas informações

Apesar da crise, há novas empresas a nascer
Economia 16.09.2020

Apesar da crise, há novas empresas a nascer

Apesar da crise, há novas empresas a nascer

Foto: Lex Kleren
Economia 16.09.2020

Apesar da crise, há novas empresas a nascer

Diana ALVES
Diana ALVES
As atividades financeiras e seguros são o setor onde, apesar de haver mais falências, há mais novas empresas a serem criadas.

Os tempos são de crise, mas, mesmo assim, houve novas empresas a nascer no Luxemburgo desde o início da pandemia. Dados do Luxembourg Business Registers (LBR), divulgados pelo Governo, mostram que entre março e agosto deste ano foram criadas 5.051 empresas. No ano passado, no mesmo período, abriram portas 5.590.

Com 1.014, a área das atividades financeiras e seguros é aquela que mais empresas fundou entre março e agosto deste ano. O número representa no entanto uma quebra substancial face ao período homólogo do ano passado, no qual aquele ramo viu nascer mais de 3.000 sociedades. 

Na construção, por exemplo, a criação de empresas caiu para metade este ano, passando de 211, em 2019, para 101, em 2020. Estes dados foram revelados pelos ministros das Classes Médias, Lex Delles, da Justiça, Sam Tanson, e da Economia, Franz Fayot, a pedido do deputado Marc Goergen, do Partido Pirata. 


Luxemburgo já tem uma estratégia para assegurar o pleno emprego
Além dos bónus à contratação, o Governo vai lançar um subsídio de 2 mil euros para a criação de novos negócios. As doze medidas foram apresentadas pelo ministro do Trabalho.

O parlamentar questionava os ministros sobre o impacto da crise nas falências e criação de empresas. Segundo os números, a criação de empresas parece refletir mais o contexto atual do que propriamente as falências. Nestas últimas, entre março e agosto de 2019 e 2020 o número manteve-se inalterável. E é também nos seguros e finanças onde há mais casos de insolvências

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Em 2015: Falências aumentaram no Luxemburgo
O número tinha sido avançado em Janeiro pela instituição alemã Creditreform mas, só agora, foi oficialmente confirmado pela Secretária de Estado da Economia, Francine Closener. No ano passado, 873 empresas declararam falência no Luxemburgo, um aumento de 3,3% face a 2014.