Escolha as suas informações

Ajudas não reembolsáveis atingiram os 129 milhões de euros em agosto
Economia 13.10.2020

Ajudas não reembolsáveis atingiram os 129 milhões de euros em agosto

Ajudas não reembolsáveis atingiram os 129 milhões de euros em agosto

Foto: Caroline Martin
Economia 13.10.2020

Ajudas não reembolsáveis atingiram os 129 milhões de euros em agosto

Diana ALVES
Diana ALVES
As ajudas não reembolsáveis atribuídas pelo Governo para ajudar as empresas afetadas pela crise sanitária atingiram os 129 milhões de euros em agosto. O montante foi o dobro do disponibilizado em julho.

O dado foi revelado no Parlamento pelo ministro das Finanças, Pierre Gramegna. Segundo o ministro, o comércio de retalho, a restauração e a chamada 'construção especializada' foram os setores que mais beneficiaram destes apoios. 

As ajudas não reembolsáveis foram criadas para as empresas que tenham sofrido perdas de pelo menos 25% entre os meses de junho e novembro, face ao mesmo período de 2019. Estas podem assim candidatar-se a uma ajuda mensal não reembolsável cujo montante é calculado com base no número de empregados e trabalhadores independentes da empresa. Os pedidos são feitos mês a mês.


Desemprego parcial. Saiba porque é que as empresas vão ter que devolver 334 milhões
Em causa estão os subsídios de desemprego parcial pagos indevidamente pelo Estado às empresas, esclarece Tom Hoswald, coordenador-geral do Ministério do Trabalho, Emprego e Economia Social.

Ao abrigo deste regime de ajudas, a empresa recebe 1.250 euros por trabalhador e independente ativo. Montante que desce para os 250 euros se o trabalhador estiver em desemprego parcial no mês em que a ajuda é solicitada. O valor total por mês e por entidade varia entre os 10.000 e os 100.000 euros consoante o tamanho da empresa. Toda a informação sobre estes apoios, assim como o respetivo formulário para fazer o pedido estão disponíveis na plataforma Guichet.lu.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas