Escolha as suas informações

Acordos fiscais entre Volkswagen e Luxemburgo na mira de Bruxelas
Economia 28.03.2018

Acordos fiscais entre Volkswagen e Luxemburgo na mira de Bruxelas

Acordos fiscais entre Volkswagen e Luxemburgo na mira de Bruxelas

Foto: AFP
Economia 28.03.2018

Acordos fiscais entre Volkswagen e Luxemburgo na mira de Bruxelas

Depois da Apple e da Amazon, a Volkswagen. A Comissão Europeia está a investigar os acordos fiscais feitos entre a empresa automóvel alemã e o Luxemburgo.


Segundo a agência Bloomberg, que avançou a notícia, Bruxelas quer perceber se a Volkswagen foi beneficiada através de um acordo fiscal, que lhe permitiu pagar montantes mais baixos de imposto.

Se o acordo fiscal for considerado abusivo, a empresa pode ser obrigada a devolver o dinheiro que não pagou em impostos, tal como aconteceu com a Apple e a Amazon.

Recorde-se que Bruxelas obrigou o Estado irlandês a receber 13 mil milhões de euros da Apple em impostos que não foram pagos e o Grão-Ducado a receber 250 milhões de euros da Amazon. A Comissão considerou que os acordos beneficiaram aquelas empresas em detrimento de outras, constituindo uma ajuda de Estado.

O Governo irlandês começou por recorrer da decisão de Bruxelas, mas acabou por aceitar receber o dinheiro. O caso luxemburguês é diferente: o Executivo contestou em tribunal a decisão da Comissão Europeia por considerar que o acordo fiscal celebrado não é irregular e não constitui uma ajuda de Estado.

A revista alemã, Der Spiegel, noticiou em outubro que as estruturas fiscais que a Volkswagen tem no Luxemburgo desde 2012 ajudaram a empresa a evitar impostos mais elevados. Em 2014, a empresa decidiu transferir mais de 20 subsidiárias da Holanda para o Grão-Ducado.


Notícias relacionadas

Engie. Governo luxemburguês recorre de decisão de Bruxelas junto dos tribunais
O Governo luxemburguês vai contestar a decisão da Comissão Europeia sobre a elétrica Engie. No final de junho, Bruxelas considerou ilegais os acordos fiscais feitos entre a empresa francesa e o Grão-Ducado que permitiram reduzir a fatura fiscal do grupo. O Luxemburgo teria, por isso, de recuperar os 120 milhões de euros que deixou de receber em impostos. No entanto, o Executivo considera que os acordos fiscais respeitam a lei em vigor na altura.
Bruxelas diz que o Luxemburgo concedeu ajudas fiscais ilegais à Engie
Antevê-se mais um braço de ferro entre Luxemburgo e a Comissão Europeia por causa de acordos fiscais feitos entre o Estado e multinacionais. A Comissão Europeia quer que o Luxemburgo recupere mais 120 milhões de euros em impostos que não foram pagos pela empresa francesa Engie. O Governo não tem o mesmo entendimento e diz que a elétrica foi taxada de acordo com as regras aplicáveis na altura.
Inspeções do Fisco rendem mais 4,34 milhões de euros
As inspeções feitas pelo Fisco luxemburguês resultaram na exigência de mais de 4,3 milhões de euros em impostos. Os números constam do relatório de atividades da Administração das Contribuições Diretas relativo a 2016.