Escolha as suas informações

75 milhões de euros para ajudar famílias afetadas pelo aumento dos preços de energia
Economia 28.02.2022 Do nosso arquivo online
Apoios

75 milhões de euros para ajudar famílias afetadas pelo aumento dos preços de energia

Apoios

75 milhões de euros para ajudar famílias afetadas pelo aumento dos preços de energia

Foto: Patrick Pleul/dpa-Zentralbild/dp
Economia 28.02.2022 Do nosso arquivo online
Apoios

75 milhões de euros para ajudar famílias afetadas pelo aumento dos preços de energia

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
As famílias mais carenciadas vão ter "subsídio de vida cara" e subsídio de energia. Já as empresas vão ter de esperar pelos apoios.

As famílias mais carenciadas vão ter subsídio de vida cara e subsídio de energia. Já as empresas vão ter de esperar pelos apoios.

O Estado vai desembolsar 75 milhões de euros para apoiar as famílias afetadas pelo aumento do preço de energia. Esta foi a principal medida anunciada pelo primeiro-ministro, Xavier Bettel, na conferência de imprensa desta tarde, depois da reunião matinal com os fornecedores do país.

O pacote de ajudas aos particulares vai custar ao Estado 75 milhões de euros e envolve os ministérios da Família, da Energia e da Economia. O ministro da Energia, Claude Turmes, garantiu uma mudança na lei para se conseguir "uma redução temporária do preço do gás e da eletricidade". 

Redução de custos da energia permite poupança de quase 500 euros

Esta redução de custos de utilização da rede permitirá às famílias poupar cerca de 500 euros.

Já a ministra da Família, Corina Cahen, disse que "todas as pessoas com direito ao subsídio de custo de vida poderão ter outra ajuda". Trata-se do subsídio de energia, entre 200 e 400 euros, dependendo do número de pessoas do agregado familiar.

A guerra na Ucrânia poderá prolongar o risco de aumento dos preços da energia, afetando igualmente as empresas. Mas para estas ainda não foram anunciadas medidas específicas de apoio. 

O ministro da Economia, Franz Fayot, garantiu apenas que estão a ser consideradas várias medidas. 

Quanto à garantia de reserva de gás para preparar o próximo inverno, Claude Turmes assegura a que a solução passa por "garantir que os reservatórios estejam cheios".

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas