Escolha as suas informações

Vólei de praia. Dupla alemã boicota torneio no Qatar por não poder usar biquíni
Desporto 24.02.2021

Vólei de praia. Dupla alemã boicota torneio no Qatar por não poder usar biquíni

Vólei de praia. Dupla alemã boicota torneio no Qatar por não poder usar biquíni

Desporto 24.02.2021

Vólei de praia. Dupla alemã boicota torneio no Qatar por não poder usar biquíni

AFP
AFP
As estrelas alemãs do voleibol de praia, Karla Borger e Julia Sude, vão boicotar um torneio no Qatar porque foram proibidas de usar os biquínis profissionais em campo.

"Estamos aqui para fazer o nosso trabalho mas não estamos autorizados a usar as nossas roupas de trabalho", lamentou Karla Borger à rádio alemã Deutschlandfunk no domingo à noite. "Este é realmente o único país e o único torneio em que um Governo nos diz como fazer o nosso trabalho", disse a jogadora, cuja dupla está em segundo lugar no campeonato mundial. 

O Qatar vai acolher um torneio da Federação Internacional de Voleibol de Praia (FIVB) em março, uma estreia no país. Mas ao que parece as participantes foram convidadas a usar t-shirts e calças compridas em vez dos habituais fatos de banho. De acordo com a FIVB, o pedido foi motivado pelo "respeito pela cultura e tradições do país anfitrião". 

No entanto, a Federação de Voleibol do Qatar (QVA), organizadora do evento, já desmentiu que tenha sido feito qualquer pedido acerca do vestuário das atletas. "Queremos deixar claro que não ditamos o que as atletas devem vestir. Respeitamos plenamente o código de conduta emitido pela Federação Internacional e demonstrámos no passado em eventos no Qatar que as atletas são livres de usar os mesmos trajes que usam noutros países", pode ler-se no documento citado pela AFP. "Queremos que todas as atletas se sintam bem-vindas e confortáveis neste torneio que será um torneio histórico para o Qatar", salienta a QVA. 


Mais de 6.500 trabalhadores migrantes morreram na preparação do Mundial do Qatar
A maioria provém da Índia, Paquistão, Nepal, Bangladesh e Sri Lanka e morreram a trabalhar no Qatar, desde que este país foi escolhido para acolher o Campeonato do Mundo de Futebol há 10 anos.

Karla Borger insistiu à revista alemã Der Spiegel que embora pudesse pensar em "adaptar-se ao país", o calor extremo no Qatar torna necessário o uso de um biquíni. Na entrevista Borger questionou mesmo a relevância de atribuir ao Qatar a organização de um evento deste género. "Perguntamo-nos se é realmente necessário que um torneio se realize ali", afirmou. Se a questão não se resolver, a dupla pondera mesmo falhar a competição. 

Numa outra competição desportiva mundial, o Qatar vai acolher o Campeonato Mundial de Futebol em 2022, torneio que está envolto em polémica depois de uma investigação do jornal The Guardian ter revelado que mais de 6.500 trabalhadores migrantes morreram nas obras de preparação do evento. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.