Escolha as suas informações

Toni Fernandes revalida título de campeão nacional de halterofilia
O veterano halterofilista, que representou o Coq Neudorf durante 27 anos, despedindo-se com um merecido título.

Toni Fernandes revalida título de campeão nacional de halterofilia

Foto: Claude Ries
O veterano halterofilista, que representou o Coq Neudorf durante 27 anos, despedindo-se com um merecido título.
Desporto 13.06.2018

Toni Fernandes revalida título de campeão nacional de halterofilia

Alvaro Antonio SILVA DA CRUZ
Alvaro Antonio SILVA DA CRUZ
O halterofilista português voltou a estar em destaque nos campeonatos nacionais da modalidade. Em Neudorf, no sábado, ao levantar um total de 160 kg no total dos movimentos de arranque e arremesso e conquistar mais um título na categoria de -62 kg.

Muito felicitado pelos adversários e público em geral no final da prova, Toni Fernandes disse ao Contacto sentir-se “bastante feliz” pela conquista de mais título que não esperava obter porque a preparação para a prova não tinha sido a melhor.

“Para ser sincero, não esperava vencer esta competição. Não tive muito tempo para me treinar e preparar adequadamente. Acho que a minha experiência e a vontade de ganhar sempre foram determinantes nesta vitória”, explicou.

O veterano halterofilista, que representou o Coq Neudorf durante 27 anos, participou pela última vez pelo quase centenário clube da capital nos campeonatos nacionais, despedindo-se com um merecido título.

Toni Fernandes fundou recentemente o Luxembourg Warriors, um novo clube de halterofilia que já recebeu a autorização, por parte da federação luxemburguesa da modalidade, para participar em competições nacionais e internacionais.

Formar atletas e treinadores do futuro

“Este novo projeto na minha carreira é muito importante para mim. Quero trabalhar e formar jovens para chegarem ao mais alto nível na halterofilia. A modalidade caiu muito nos últimos anos, por isso era fundamental fazer qualquer coisa para inverter o rumo dos acontecimentos”, sublinha.

“Há falta de treinadores de halterofilia credenciados e competentes no Luxemburgo. Esse vazio tem de ser preenchido para que a modalidade possa renascer e melhorar em todos os aspetos. Quando comecei, há mais de 20 anos, existiam sete clubes no país e agora resume-se ao Coq Neudorf. Isto não pode continuar”, lamenta.

“Criei em 2016 o Crosslifting, um método de treino equilibrado que engloba módulos do Crosstraining e Weightlifting, adaptados à halterofilia e a desportos similares, que pretendo continuar a desenvolver em parceria com o meu novo clube”, indica.

Sobre o segredo das suas performances e longevidade, Toni Fernandes foi claro: “Acima de tudo é fundamental gostarmos daquilo que fazemos. Depois, com trabalho, disciplina e determinação, tudo se consegue”, conclui.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Modalidadade renasce 13 anos depois: Atletas lusófonos dominam luta livre e greco-romana no Luxemburgo
Depois de treze anos de paragem, os campeonatos luxemburgueses de luta voltaram ao ativo com destaque para os pódios de Medina Barros e Eliane Varela, lutadores de origem cabo-verdiana, e do português Logan de Melo. Joseph Etogo, diretor técnico nacional, congratula-se pelo sucesso da prova e garante que o Grão-Ducado tem vários lutadores com qualidade para num futuro próximo devolver o passado glorioso que a modalidade já conheceu no país.
Logan de Melo (de vermelho) num dos combates durante os campeonatos nacionais que se realizaram em novembro, na cidade do Luxemburgo