Escolha as suas informações

Nelson Évora sai triste e lesionado na despedida olímpica
Desporto 2 min. 03.08.2021
Tóquio2020

Nelson Évora sai triste e lesionado na despedida olímpica

Tóquio2020

Nelson Évora sai triste e lesionado na despedida olímpica

Foto: Lusa
Desporto 2 min. 03.08.2021
Tóquio2020

Nelson Évora sai triste e lesionado na despedida olímpica

Lusa
Lusa
O atleta português que foi campeão olímpico em Pequim, em 2008, encerrou o seu capítulo olímpico nestes jogos, no Japão.

Nelson Évora admitiu sair triste dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, “um bocado sentido”, por se ter lesionado no primeiro salto do concurso do triplo, que venceu em Pequim2008.

“Foi um bocado sentido, não esperava que fosse saltar a virilha no primeiro ensaio, nem tive tempo de saltar. Estas coisas acontecem. Saio triste, mas de cabeça erguida”, frisou Nelson Évora, em declarações aos jornalistas, ainda no Estádio Olímpico.

Aos 37 anos, e três meses depois de ter sido operado ao joelho esquerdo, Nelson Évora não foi além de 15,39 e dois saltos nulos, falhando a qualificação para a final, reservada para quem saltou pelo menos 17,05 metros ou para os 12 melhores.

“Eu tentei saltar pelos portugueses, muita gente esteve a acompanhar e me acompanha. Aguentei as dores. Tentei, na vida temos de lutar até ao fim. Tentei até ao fim, infelizmente o corpo não permitiu. Estou cheio de dores”, explicou.

Depois do ouro em Pequim2008, do sexto lugar no Rio2016 e do 40.º posto em Atenas2004, Évora encerrou o seu capítulo olímpico com o 27.º e último lugar no concurso, mas nunca pensou desistir, porque “um dia com dores não é nada”. “A vida é mesmo assim, temos que… Parar porquê? Há que tentar, eu tentei. Fi-lo pensando em todos os que me acompanham e acreditam em mim. Mesmo os que não acreditavam acho que a mensagem está lá”, sublinhou.


Portugal faz o terceiro 'hat trick' numas Olimpíadas
Em Tóquio 2020, a equipa lusa já soma duas medalhas de bronze e uma de prata, algo que não é inédito numas Olimpíadas.

Enquanto descrevia a emoção sentida após o primeiro salto, que o levaram às lágrimas ainda no tartã nipónico, não conseguia esconder a tristeza: “Foi a dor de dececionar quem me acompanha. Por isso chorei. Queria fazê-lo bem, não pude, e lamento, mas...”.

“Por incrível que pareça, o joelho [esquerdo, ao qual foi operado ao menisco] respondeu bem. A virilha é que me apanhou desprevenido, fiz muito bons treinos nos últimos dias. Fisicamente estou bem neste momento, não esperava”, lamentou.

Feita a despedida dos palcos olímpicos, retirando Paris2024 do horizonte, mas sem colocar a hipótese de terminar a carreira, o campeão do mundo, em 2007, e da Europa em pista coberta, em 2015 e 2017, e ao ar livre, em 2018, quer voltar a ‘voar’ mas ainda não escolheu o ’palco’.

“Tenho de fazer um bom período de recuperação. Lesionei-me em março e não estive na pista coberta, tive de recuperar super-rápido, queimar muitas etapas. Tenho de respeitar o meu corpo, dar-lhe o devido descanso, regenerar bem. Sinto-me capaz e estava bem, não esperava era que a virilha me fosse saltar naquele momento. Senti-me frustrado, mas agora o que me compete é recuperar-me bem e começar a próxima temporada com calma, tentar fazer o melhor de mim nas próximas competições, e dignificar a nossa camisola”, concluiu.

No concurso do triplo salto, além de Évora, participaram ainda os portugueses Pedro Pablo Pichardo, que assegurou o primeiro lugar da qualificação, com 17,71, e Tiago Pereira, que não foi além do 16.º lugar, com 16,71, a 12 centímetros do último repescado.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Ouro de Portugal nos JO
Portugal tem um novo campeão olímpico no triplo salto. Sem espinhas, Pedro Pichardo conquistou a primeira medalha de ouro nos JO de Tóquio para a nação que o acolheu. A rivalidade com Nelson Évora está ao rubro. Não é coisa que se recomende a atletas, mas... vejam lá se fumam o cachimbo da paz.