Escolha as suas informações

Sporting vence Boavista com penálti ‘fora de horas’ de Bruno Fernandes
Desporto 2 min. 10.03.2019

Sporting vence Boavista com penálti ‘fora de horas’ de Bruno Fernandes

Sporting vence Boavista com penálti ‘fora de horas’ de Bruno Fernandes

Foto: Pixabay
Desporto 2 min. 10.03.2019

Sporting vence Boavista com penálti ‘fora de horas’ de Bruno Fernandes

A equipa de Marcel Keizer, quarta classificada, alcançou a quinta vitória fora de casa no campeonato e mantém-se a três pontos do Sporting de Braga.

Uma grande penalidade marcada por Bruno Fernandes aos 90+3 minutos permitiu ao Sporting vencer o Boavista por 2-1, em jogo da 25.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado no Estádio do Bessa, no Porto.

Neris adiantou os axadrezados aos três minutos, mas o Sporting empatou aos 17, graças a um autogolo de Edu Machado, que, perto do apito final, cometeu o penálti, de acordo com o árbitro, que Bruno Fernandes converteu para os "leões".

A equipa de Marcel Keizer, quarta classificada, alcançou a quinta vitória fora de casa no campeonato e mantém-se a três pontos do Sporting de Braga, ao passo que o Boavista sofreu a segunda derrota consecutiva, continua com 26 pontos e desceu do 11.º posto para o 12.º.

Face à jornada anterior, o Boavista começou o jogo com Perdigão e Gustavo Sauer, titular pela primeira vez, nos lugares de Matheus Índio e Mateus, que se lesionou hoje de manhã, e o Sporting lançou Luiz Phellype para o lugar do lesionado Bas Dost.

O jogo começou praticamente com o golo do Boavista, aos três minutos, marcado pelo central Neris na sequência de um livre cobrado por Bueno, ainda longe da baliza sportinguista

Neris aproveitou uma sobra e uma falha defensiva do Sporting, que pôs o central ‘axadrezado’ em posição regular, e conseguiu fazer o 1-0 com um desvio que apanhou Renan Ribeiro em contrapé.

Embalado pelo golo madrugador, o Boavista ameaçou novamente o Sporting aos 14 minutos, num contra-ataque rápido conduzido por Gustavo Sauer e finalizado por Perdigão com um remate forte, que Renan Ribeiro defendeu para canto.

No minuto seguinte, Obiora falhou por centímetros o que teria sido o segundo golo boavisteiro e um golpe duro num Sporting, que só a partir daí ‘assentou’ o seu jogo e fez valer a condição de favorito, apoderando-se do meio-campo e da bola.

O primeiro grande sinal da nova tendência ocorreu aos 17 minutos, quando Ristovski serviu Raphinha no corredor direito e o extremo avançou, cruzou e Edu Machado, apertado por Acuña, introduziu a bola na sua própria baliza, ‘oferecendo’ o empate ao Sporting.

Depois de um primeiro quarto de hora forte do Boavista, o Sporting acelerou tanto pela direita, com Raphinha, como pela esquerda, com Acuña, e o perigo mudou-se para a junto da baliza ‘axadrezada’.

O Sporting voltou a introduzir a bola na baliza boavisteira, mas não valeu devido a fora de jogo, e depois disso o Boavista conseguiu sacudir a pressão, ter mais bola e sair novamente para o ataque.

Aos 45 minutos, Acuña cobrou um livre e Coates, de cabeça, quase marcou, mas o mote ficou dado para o que seria a segunda parte, toda dominada pelo Sporting e jogada quase só no meio-campo boavisteiro.

Raphinha, aos 50 minutos, de cabeça, e Bruno Fernandes, aos 58, numa vistosa bicicleta, estiveram perto do golo, mas Bracali esteve em muito bom plano e foi segurando o empate, pelo qual o Boavista lutou tanto quanto o Sporting lutou pelos três pontos.

Com 90 minutos jogados, o árbitro João Pinheiro assinalou uma grande penalidade contra o Boavista, por suposta carga de Edu Machado sobre Raphinha na grande área, e Bruno Fernandes, com um remate colocado, fez o 2-1 e deu o triunfo à sua equipa.


Notícias relacionadas

Sporting bate Boavista
No jogo que marcou o regresso de Bas Dost após lesão, dois golos de Nani, com um de Bruno Fernandes pelo meio, deram a vitória à equipa de Alvalade por 3-0.
Sporting, a primeira vitória depois do inferno
Os leões foram conquistar com sofrimento uma vitória por três bolas a uma em Moreira de Cónegos. O Moreirense jogou de igual para igual e inaugurou o marcador aos seis minutos, num jogo assinalado pela generosidade na distribuição da cartolina por parte da arbitragem: dez cartões amarelos.