Escolha as suas informações

Sporting apanha susto, mas bate Nacional
Desporto 3 min. 16.12.2018

Sporting apanha susto, mas bate Nacional

Sporting apanha susto, mas bate Nacional

Foto: Lusa
Desporto 3 min. 16.12.2018

Sporting apanha susto, mas bate Nacional

Madeirenses estiveram a ganhar por 2-0 em Alvalade, mas os sportinguistas acabaram por construir triunfo robusto (5-2).

O Sporting esteve a perder em casa com o Nacional por 0-2 num ótimo jogo de futebol, mas acabou por conseguir a reviravolta no marcador e impor-se por 5-2 no desafio que encerrou a 13ª jornada da Liga portuguesa. Com Marcel Keizer ao comando, a equipa de Alvalade soma 25 golos em seis partidas, além de seis triunfos consecutivos.

Antes do encontro, houve manifestação de solidariedade em relação a Nuno Pinto, jogador do Vitória de Setúbal a quem foi diagnosticado um linfoma e que, por isso, interrompeu a carreira para combater a doença - Nani, capitão de equipa, mostrou uma camisola com o nome do futebolista. além disso, foi ainda guardado um minuto de silêncio em memória das quatro vítimas da queda do helicóptero do INEM, ontem, no concelho de Valongo. 

No primeiro tempo, a equipa de Costinha surpreendeu o adversário com pressão intensa e maior rapidez sobre a bola, ganhando margem de manobra para chegar à vantagem num remate de João Camacho dentro da área (7 m). Os anfitriões tentaram reagir e Bas Dost até marcou, mas o golo foi invalidado com indicação do VAR por fora de jogo de Diaby (19 m).

Mantendo-se ameaçador e dinâmico, o Nacional iria obter o 2-0 por Palocevic, de cabeça, na pequena área, após centro de Jota (26 m). A equipa de Keizer parecia desorientada e incapaz de compreender o que se passava, mas o panorama iria modificar-se. Ainda assim, três minutos depois teve de ser Renan a aplicar-se para deter um livre de Palocevic. Pouco depois, porém, Fábio Veríssimo assinalou falta dentro da área sobre Bas Dost e o holandês, da marca de penalty, reduziu a desvantagem, marcando o sexto golo seguido em outros tantos encontros (36 m). Bruno Fernandes ainda desferiu perigoso remate cruzado (45 m), mas sem marcar.

No segundo tempo, Bruno César deu lugar a Miguel Luís e a equipa da casa melhorou o seu jogo. Júlio César cabeceou com algum perigo num canto (56 m), mas, a partir daqui, o jogo foi dominado amplamente pelo Sporting. Bas Dost testou Daniel Guimarães a centro de Jefferson (67 m), Jovane Cabral rendeu o lesionado Nani (68 m) e, dois minutos mais tarde, embora Bas Dost não fosse capaz de superar o guarda-redes contrário, a bola chegou a Bruno Fernandes que não desperdiçou e empatou.

Era notório que o Sporting estava empolgado, enquanto os madeirenses já não dispunham da energia do primeiro tempo. A 15 minutos do final, num livre apontado de forma soberba por Mathieu, os sportinguistas ficaram, por fim, na frente do marcador, estabelecendo-se festa generalizada no estádio. Mas o Nacional não desistiu, Costinha fez entrar Riascos para o lugar de Camacho (77 m) e o avançado logo obrigou Renan a excelente defesa (79 m). 

Poucos minutos depois, Bruno Fernandes colocou Daniel Guimarães à prova e, a quatro minutos do final, Fábio Veríssimo voltou a assinalar penalty por falta de Kalindi sobre Bas Dost e este, apesar de forçado a repetir por ordem do árbitro (Jovane Cabral entrara na área antes de a bola partir na primeira tentativa), apontou o 4-2.

Os madeirenses ainda procuraram atenuar a desvantagem, mas foi o Sporting que voltou a marcar, por intermédio de Bruno Fernandes, culminando ataque rápido em que cabeceou para defesa de Daniel Guimarães e só chegou ao golo na recarga.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Sporting bate Boavista
No jogo que marcou o regresso de Bas Dost após lesão, dois golos de Nani, com um de Bruno Fernandes pelo meio, deram a vitória à equipa de Alvalade por 3-0.
Sporting, a primeira vitória depois do inferno
Os leões foram conquistar com sofrimento uma vitória por três bolas a uma em Moreira de Cónegos. O Moreirense jogou de igual para igual e inaugurou o marcador aos seis minutos, num jogo assinalado pela generosidade na distribuição da cartolina por parte da arbitragem: dez cartões amarelos.